This content is not available in your region

"Em breve, as lojas terão secções inteiras dedicadas às algas"

"Em breve, as lojas terão secções inteiras dedicadas às algas"
Direitos de autor  Denis Loctier/Euronews   -  
De  Denis Loctier

"Vemos isto como uma espécie de revolução azul que está a chegar" - quem o diz é Jonatan Gerrbo, da Nordic Seafarm. Esta pequena empresa cultiva algas marinhas ao longo da costa ocidental da Suécia e fornece-as congeladas ou secas para o emergente mercado escandinavo.

A cultura de espécies de algas como a alga açucareira ou a alface marinha pode fornecer alimentos mais saudáveis e nutritivos para a crescente população do planeta - de uma forma mais amiga do ambiente do que a agricultura tradicional. As explorações de algas marinhas de tamanho razoável têm demonstrado absorver CO2 e nutrientes excessivos na água, ajudando a manter o mar limpo e criando novos habitats para os peixes. Além disso, a cultura de algas marinhas pode ser boa para a economia costeira: segundo a associação "Saweed for Europe", esta indústria pode criar 115 mil novos empregos até 2030.

Diz Jonatan Gerrbo:

"Precisamos de cultivar algas marinhas para podermos produzir alimentos e outros materiais de uma forma mais sustentável. Se olharmos para a agricultura e produção de alimentos, utilizamos demasiada terra e demasiada água doce. O que é bom nas algas marinhas é que não utilizamos terra de todo. A única coisa de que precisamos é da luz do sol e do que já está no oceano".

A única coisa de que precisamos é da luz do sol e do que já está no oceano.
Jonathan Gerrbo
Business developer, Nordic Seafarm

"As pessoas comem-nas na Ásia há milhares de anos. E quanto mais as utilizamos e tornamos disponíveis para as pessoas na Europa, mais nos habituamos a comê-las e a levá-las para as nossas próprias cozinhas e para a nossa própria tradição", acrescenta.

"O oceano é quase infinito. É realmente grande, é tridimensional. Por isso, é eficiente em termos de espaço utilizá-lo para cultivar alimentos. É cada vez melhor, com todos os regulamentos e licenças, cultivar algas marinhas em grande escala. Nos próximos anos, espera-se que haja explorações agrícolas em toda a costa sueca e também nas costas da Europa. Vejo isso a partir de uma procura crescente em diferentes áreas, não só em alimentos e bioplásticos, mas também em cosméticos, nutrientes e outras coisas.

"Portanto, há uma vasta gama de diferentes áreas de aplicação. A dada altura, vai haver uma secção completa de algas marinhas nas lojas. Vai ser fácil para o cliente escolher, de entre diferentes produtos, para diferentes pratos e coisas, e simplesmente ir para casa e cozinhá-las na sua cozinha. Vai ser cada vez mais comum nos próximos anos", conclui.