This content is not available in your region

Estado da União: o adeus de Schulz e a tensão com a Turquia

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Estado da União: o adeus de Schulz e a tensão com a Turquia

<p>Depois de dois mandatos como presidente do Parlamento Europeu, o alemão Martin Schulz deixa Bruxelas. Este é o tema de abertura do “Estado da União”, programa que passa em revista a atualidade europeia da semana. </p> <p>Martin Schulz, peso pesado da política europeia cuja carreira se fez entre Bruxelas e Estrasburgo, será candidato social-democrata no estado alemão da Renânia do Norte-Vestfália, nas eleições parlamentares no próximo ano. </p> <p>Reunido em plenário, esta semana, o Parlamento Europeu desafiou o governo de Ancara. A grande maioria dos eurodeputados pede a suspensão temporária das negociações de adesão da Turquia à União Europeia. </p> <p>As autoridades turcas classificaram a decisão como “insignificante, nula e sem efeito”. O enviado da euronews a Estrasburgo, Sandor Zsiros, entrevistou Kati Piri, eurodeputada holandesa e relatora para as relações com a Turquia. </p> <p>No Parlamento Europeu esteve, também, David Davis, ministro britânico encarregado do Brexit, para fazer um balanço com os eurodeputados, mas teve uma recepção gelada. </p> <p>No programa falamos, ainda, do relatório sobre a saúde na Europa publicado conjuntamente pela Comissão Europeia e pela <span class="caps">OCDE</span>, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico. </p> <p>A expetativa média de vida aumentou na Europa: em 1990 e era de 74,1 anos e em 2014 um pouco mais de 80 anos. Em média, as mulheres vivem 83 anos e os homens chegam aos 78 anos. </p> <p>Destaques na agenda da próxima semana: </p> <p>- 30 de novembro: a Comissão Europeia apresentará a estratégia sobre o mercado da energia na União Europeia </p> <p>- 2 de dezembro: os partidos Verdes europeus tem um congresso, em Glasgow </p> <p>- 4 de dezembro: repetição das eleições na Áustria, depois de irregularidades em julho. O primeiro-ministro italiano Matteo Renzi também joga o seu futuro político no referendo constitucional</p>