This content is not available in your region

UE e Japão assumem-se como eixo anti-protecionismo comercial

Access to the comments Comentários
De  Isabel Marques da Silva  com Reuters e Lusa
UE e Japão assumem-se como eixo anti-protecionismo comercial

<p>A União Europeia e o Japão enviaram uma mensagem política contra o protecionismo, tendo os <span class="caps">EUA</span> como principal alvo. </p> <p>Os dois parceiros selaram as diretrizes políticas para um acordo de livre comércio, durante uma cimeira, quinta-feira, em Bruxelas. </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">We did it. We concluded EU-Japan political and trade talks. EU is more and more engaged globally. Global Europe! <a href="https://t.co/GhsRT2QihH">pic.twitter.com/GhsRT2QihH</a></p>— Donald Tusk (@eucopresident) <a href="https://twitter.com/eucopresident/status/882905495396388868">July 6, 2017</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Depois de Donald Trump ter abandonado a Parceria Transpacífico (conhecida por <span class="caps">TPP</span>), o líder japonês, Shinzo Abe, disse que “infelizmente, os <span class="caps">EUA</span> retiraram-se dessa negociação, mas o Japão e a União Europeia chegaram a um acordo de princípio sobre elementos fundamentais para ambos, e penso que isso poderá ter um impacto positivo no <span class="caps">TPP</span>”. </p> <p>Tal como o acordo com 11 países do Pacífico, os <span class="caps">EUA</span> também deixaram de mostrar interesse por algo similar com a União Europeia, conhecido por <span class="caps">TTIP</span>. </p> <p>“Embora algumas vozes digam que estamos de regresso ao tempo do isolacionismo e da desintegração, nós estamos a demonstrar que não é o caso e que o mundo não precisa de andar 100 anos para trás”, disse Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu. </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr"><a href="https://twitter.com/hashtag/EUJapan?src=hash">#EUJapan</a> trade deal smacks of corporate protectionism. Our comment on <a href="https://twitter.com/hashtag/JEFTA?src=hash">#JEFTA</a> deal <a href="https://t.co/OPMv9EESvi">https://t.co/OPMv9EESvi</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/EUtrade?src=hash">#EUtrade</a> <a href="https://t.co/qgPVgc43nN">pic.twitter.com/qgPVgc43nN</a></p>— Greenpeace EU (@GreenpeaceEU) <a href="https://twitter.com/GreenpeaceEU/status/882641312373235712">July 5, 2017</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Os governos europeus temem uma onda de protestos da sociedade civil, tal como aconteceu no caso do acordo recente com o Canadá. </p> <p>Os sindicatos europeus e japoneses, por exemplo, estão contra a inclusão dos serviços públicos no acordo. </p> <p>“Da minha experiência com liberalização dos serviços públicos, é provável que exerçam mais pressão no sentido da privatização de serviços tais como os da saúde, educação, água, saneamento”, disse, à euronews, Penny Clarke, secretária-geral adjunta da Federação Europeia dos Sindicatos do Serviço Público. </p> <p>“São áreas onde é muito importante ter boas estruturas regulatórias de proteção para assegurar que somos capazes de responder às necessidades fundamentais das pessoas”, acrescentou a dirigente sindical. </p> <p>O acordo abrangerá um terço do <span class="caps">PIB</span> mundial e afetará 630 milhões de pessoas. </p> <p>Os setores de negociação mais difícil são os produtos lácteos europeus e os carros japoneses, sobre os quais existem tarifas muito altas.</p> <p>A Comissão Europeia estima que o valor das exportações provenientes da União possa aumentar até 20 mil milhões de euros.</p> <p>Pela primeira vez neste tipo de tratados, deverá ser incluído um compromisso específico relativamente ao cumprimento do Acordo de Paris sobre alterações climáticas.</p> <p>O acordo UE-Japão foi obtido na véspera da cimeira do G20, na Alemenha, que reúne as vinte maiores economias mundiais e onde será, também, debatido o futuro do livre comércio nas políticas de regulação da globalização.</p>