This content is not available in your region

Bruxelas espera que Kurz lidere uma Áustria "pró-europeia"

Access to the comments Comentários
De  Isabel Marques da Silva  com EFE
Bruxelas espera que Kurz lidere uma Áustria "pró-europeia"

<p>Dentro de oito meses a Áustria vai presidir rotativamente à União Europeia, com um governo mais populista. O ultraconservador Sebastian Kurz é o novo líder do Partido Popular austríaco, que venceu as eleições. </p> <p>“Essas eleições não significam que a Áustria esteja a posicionar-se na extrema-direita. Está muito claro que qualquer governo terá uma agenda muito pró-europeia porque os principais partidos políticos estão muito empenhados na União Europeia”, disse o comissário europeu para o Alargamento, Johannes Hahnn, nacional da Áustria. </p> <p>O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, deu os parabéns a Kurz e desejou-lhe “sucesso” para formar um governo de coligação “estável e pró-europeu”.</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Brussels Briefing: Austria’s far-right celebrates 31-year-old wunderkind Sebastian Kurz’s success <a href="https://t.co/Ioz2N8Lqrr">https://t.co/Ioz2N8Lqrr</a> <a href="https://t.co/GPSwdaEOz1">pic.twitter.com/GPSwdaEOz1</a></p>— Financial Times (@FT) <a href="https://twitter.com/FT/status/919875610188701697?ref_src=twsrc%5Etfw">October 16, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>Mas Kurz, que é chefe da diplomacia no atual governo de coligação liderado por um social-democrata, promete limitar a entrada de refugiados e tem atacado a alegada “islamização” do país. </p> <p>“Estamos satisfeitos com o facto de um partido irmão do nosso ter vencido as eleições num país vizinho”, disse Péter Szijjártó, ministro dos Negócios Estrangeiros de Hungria. </p> <p>“Estamos contentes com o facto do candidato vencedor ter apresentado, em muitas ocasiões, posições em relação à migração que são semelhantes às defendidas pelo governo húngaro”, acrescentou Péter Szijjártó. </p> <p>Com promessas de uma política mais securitária, o Partido Popular obteve quase 32% dos votos e especula-se que poderá optar por um entendimento com o Partido da Liberdade, de extrema-direita, que ficou em terceiro lugar, com 26%.</p>