This content is not available in your region

Assédio sexual no Parlamento Europeu por investigar

Access to the comments Comentários
De  Isabel Silva
Assédio sexual no Parlamento Europeu por investigar

<p>Várias eurodeputadas invocaram, na quarta-feira, o slogan “Eu também”, que tem sido usado nas redes sociais para denunciar casos de assédio sexual de mulheres, ao qual o Parlamento Europeu não é imune. </p> <p>Na quinta-feira será votada, na sessão plenária em Estrasburgo, uma resolução que pede uma investigação independente, mesmo que haja poucos casos a serem claramente denunciados. </p> <p>“Sou uma mulher, é claro que já fui alvo disso. Não estou orgulhosa de dizer que, provavelmente, reagi como a maioria das mulheres: fiz cara dura, ignorei o que aconteceu, como se não fosse importante. Mas claro que é aborrecido, sentimo-nos humilhadas, é degradante”, disse Sophie in’t Veld, eurodeputada liberal holandesa. </p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Harvey Weinstein <a href="https://twitter.com/hashtag/MeToo?src=hash&ref_src=twsrc%5Etfw">#MeToo</a>, sexual harassment in Europe discussed in <a href="https://twitter.com/hashtag/EPlenary?src=hash&ref_src=twsrc%5Etfw">#EPlenary</a>. Recap here <a href="https://t.co/FfKQjBdiD2">https://t.co/FfKQjBdiD2</a> <a href="https://t.co/efvg0F4fVr">pic.twitter.com/efvg0F4fVr</a></p>— European Parliament (@Europarl_EN) <a href="https://twitter.com/Europarl_EN/status/923191342620200960?ref_src=twsrc%5Etfw">October 25, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>O jornal britânico “The Times” noticiou que “mais de uma dúzia” de assistentes foram abusados por eurodeputados, sendo mencionado, explicitamente, o caso de um membro dos Verdes. </p> <p>“Tomámos conhecimento de que um membro da família política dos Verdes assediou um assistente. Lidámos com isso convocando-o para uma reunião com outros membros, para lhe dizer que tinha de parar com esse mau comportamento”, afirmou Yannick Jadot, deputado ecologista francês. </p> <p>Outros eurodeputados, pelo contrário, não têm pudor em afirmar que sempre foi assim e que não é um problema. </p> <p>“Algumas mulheres gostam de ser molestadas, outras não. E os homens normais sabem quais são as mulheres que querem ser abordadas ou não”, disse Janusz Korwin-Mikke, independente polaco que, recentemente, fez comentários misóginos no plenário e teve de pagar uma multa. </p> <p>A resolução exorta a Comissão Europeia a propor “medidas claras” para combater o assédio sexual no local de trabalho, entre outras medidas para combater o fenómeno. </p> <p>Segundo a eurodeputada socialista espanhola Iratxe Garcia, cerca de 50% das mulheres europeias já foram vítimas de alguma forma de assédio sexual.</p>