This content is not available in your region

Impasse político põe em risco vida dos migrantes

Access to the comments Comentários
De  Isabel Marques da Silva
Impasse político põe em risco vida dos migrantes

O Papa Francisco apelou, domingo, para maior solidariedade para com os 49 migrantes impedidos de desembarcar num porto europeu, desde o final de dezembro, e a Comissão Europeia garantiu, segunda-feira, que está em intenso contacto telefónico com vários Estados-membros para encontrar uma solução.

O mais grave, neste momento, é que se fale como se estivessem em causa objetos e não seres humanos

Cécile Kashetu Kyenge Eurodeputada, centro-esquerda, Itália

Mas é vital que os países adotem a reforma da chamada legislação de Dublin, acrescentou o porta-voz, Margaritis Schinas: "Esperamos sinceramente que, com a ajuda da presidência romena da União Europeia, possamos concluir esta importante vertente das nossas políticas de migração, o mais rapidamente possível e, de preferência, antes das eleições para o Parlamento Europeu".

Em causa está um pacote de novas medidas sobre a entrada e distribuição de requerentes de asilo elaborada em Bruxelas. Uma eurodeputada de Malta diz que solidariedade é uma palavra vazia para certos governos.

"Temos de ver que haverá eleições europeias dentro de cinco meses e que os cidadãos exigem soluções claras para o desafio da migração. É uma pena ver governos de alguns grandes países a intimidarem países mais pequenos por causa das suas posições", referiu, à euronews, Roberta Metsola, do centro-direita.

O Parlamento Europeu analisa, esta semana, o refinanciamento do Fundo para o Asilo e a Migração, na ordem dos dez mil milhões de euros, entre 2021 e 2027. Mas uma eurodeputada italiana diz que o dinheiro não será suficiente para resolver o impasse.

"O Conselho Europeu poderia alterar o regulamento de Dublin por maioria qualificada, mas determinaram que seria por unanimidade. Sabemos bem que nunca será possível ter unanimidade, mas o mais grave, neste momento, é que se fale como se estivessem em causa objetos e não seres humanos. Antes de tudo devemos salvar vidas humanas", afirmou, à euronews, Cécile Kashetu Kyenge, do centro-esquerda.

A União Europeia debaterá o tema da migração em mais detalhe, numa cimeira com países da Liga Árabe, no Cairo, no final de fevereiro.