This content is not available in your region

Parlamento Europeu quer testes PCR gratuitos para todos

Access to the comments Comentários
De  euronews
Parlamento Europeu quer testes PCR gratuitos para todos
Direitos de autor  By vlado85rs @Canva   -  

O Parlamento Europeu exige testes PCR gratuitos para os cidadãos como forma de evitar discriminação na criação dos documentos de viagem necessários devido à Covid-19.

Numa votação que teve lugar na quarta-feira, o parlamento introduziu alterações ao que chamam o certificado europeu COVID-19 que deverá facilitar as viagens dentro da UE para aqueles que foram vacinados, que recuperaram recentemente da Covid-19 ou que têm um teste negativo.

Mas em alguns países, um teste PCR custa mais de 100 euros.

"Há quem não tenha tido ainda acesso a vacinas, não porque não queiram mas porque ainda não estão disponíveis para todos. Assim, o elemento relativo ao teste, que é possível usar no certificado precisa de ser fácil e acessível a todos os nossos cidadãos. Caso contrário, a introdução deste certificado poderá criar um elemento de discriminação", afirma Dragos Tudorache, eurodeputado romeno do Grupo Renew.

O certificado deverá estar pronto até ao verão, embora muitos europeus possam ainda não ter sido vacinados até lá.

A proposta foi aprovada por 540 votos a favor e 119 contra.

Alguns dos que se opõem consideram a ideia de certificados Covid inútil e discriminatória.

"As pessoas precisam de se protegerem. Eu faço o mesmo. Mantenho a distância, uso a máscara. Creio que se trata de um caso que envolve o direito das pessoas à auto-determinação, e sabem do que se trata pois assim podem proteger-se. Por isso é que não precisamos de passaportes de vacinas para viajar ou trabalhar. Mas precisamos de regras claras e proporcionais e, mais do que tudo, regras que não afetem e limitem as liberdades civis" defende o eurodeputado alemão Helmut Geuking do Grupo do PPE.

O parlamento europeu rejeitou ainda apelos para a aprovação automática das vacinas russa e chinesa no certificado.

Isto significa que os estados-membros terão que decidir individualmente se aceitam os certificados de pessoas inoculadas com estas vacinas.

O Parlamento europeu vai agora iniciar a negociação com os estados-membros para finalizar os detalhes do documento europeu de viagem.