This content is not available in your region

Retirada da NATO do Afeganistão pode criar novo conflito

Access to the comments Comentários
De  euronews
Retirada da NATO do Afeganistão pode criar novo conflito
Direitos de autor  David Guttenfelder/AP2010   -  

O governo afegão receia o pior uma vez terminada a retirada das forças da NATO que começa a 1 de maio e termina a 11 de setembro deste ano.

O objetivo das forças europeias, norte-americanas e da comunidade internacional era lutar contra o terrorismo global através da implementação de processos democráticos no Afeganistão acompanhados por medidas de reforço da confiança a fim de derrotar a Al Qaida e os Talibã.

Caberá agora ao exército afegão controlar a situação. Os avanços democráticos são frágeis enquanto os Talibã estão mais fortes do que nunca.

"Sem flexibilidade é impossível chegar a um acordo de paz com os Taliban, mas há questões e linhas vermelhas que os afegãos não estão preparados para negociar, essas linhas vermelhas podem ser a defesa e forças de segurança do Afeganistão, direitos humanos, direitos das mulheres, liberdade de expressão e comunicação social", afirma Mir Haider Afzaly, presidente da comissão de defesa do parlamento afegão.

A União Europeia forneceu a Cabul apoio de infraestruturas para a reconstrução da sociedade afegã incluindo as agências de segurança e polícia. 

A estabilidade do Afeganistão ainda é relevante para a segurança da União Europeia. 

Por isso mesmo, Bruxelas quer introduzir as suas próprias condições.

"Trata-se da substituição da força militar por um acompanhamento político e por isso é preciso que os europeus e os aliados coloquem as suas condições. O apoio financeiro ao Afeganistão deverá estar condicionado a essa questão que dever a questão democrática", defende a eurodeputada Maria Arena, presidente do comité de direitos europeus.

É impossível criar estabilidade no Afeganistão sem consenso e a cooperação de potências externas.

Sucedem-se apelos no sentido da União Europeia aumentar os contactos diplomáticos com países vizinhos como é o caso do Paquistão e Irão, ambos patrocinadores de fações militares agressivas.

Divisões étnicas, religiosas e tribais podem regressar ao conflito e os Talibã podem capturar a capital como aconteceu em 1996.

A intervenção da NATO custou muitas vidas entre os soldados enviados para o terreno. 

A população civil viu-se apanhada no fogo cruzado. Muitos não tiveram alternativa senão fugirem.

A analista do Colégio da Europa, Shada Islam, afirma que Bruxelas deve preparar-se para o pior.

"Infelizmente prevejo que os refugiados afegãos venham a ter que abandonar as suas casas, ocorrerá um novo fluxo de refugiados para o Irão, daí para Turquia e da Turquia para a União Europeia. Penso que a UE devia começar já a preparar campos de assentamento, a preparar auxílio humanitário", afirma a analista.

Pelo menos 2,7 milhões de afegãos já abandonaram o país e contam-se entre os principais requerentes de asilo em muitos países europeus. Constituem igualmente a maioria dos migrantes na rota dos Balcãs e nos campos de refugiados no Mar Egeu.