Bielorrúsia domina reunião da NATO mas fica de fora

Access to the comments Comentários
De  Bruno Sousa
Bielorrúsia domina reunião da NATO mas fica de fora
Direitos de autor  Olivier Hoslet/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved

No quartel-general da NATO, em Bruxelas, está tudo a postos para a reunião desta tarde, de fora ficarão os diplomatas da Bielorrússia. Apesar de não ser um membro da Aliança Atlântica, o país tem representação diplomática na organização desde 1998 e a decisão de impedir o acesso às instalações surge como resposta ao desvio de um voo comercial para prender um opositor ao regime de Lukashenko. A reunião junta ministros da Defesa e dos Negócios Estrangeiros e apesar de as relações com Minsk, e por consequência Moscovo, constituírem o prato forte, não são a única atração do menu.

A retirada de tropas dos Estados Unidos e da NATO do Afeganistão faz crescer as preocupações em torno de um regresso dos talibãs ao poder. A violência tem vindo a crescer nos últimos meses e apesar da aliança militar ter dado por concluída a sua missão no país, não deixa de acompanhar com atenção a situação no terreno.

Jens Stoltenberg admite que "o Afeganistão tem desafios sérios pela frente" mas sublinha que "a única forma de conseguir paz no país é com um processo inteiramente liderado e gerido por afegãos".

A questão dos direitos humanos também estará em cima da mesa esta tarde em Bruxelas. O Secretário-geral da NATO aponta o dedo a Pequim e não hesita em dizer que "a China não partilha os nossos valores, não acredita na democracia. Não acredita na liberdade de expressão nem de imprensa e vemos como oprime as suas minorias."

A reunião desta terça-feira será um aperitivo para a cimeira que irá juntar chefes de Estado e Governo da NATO a 14 de junho. A primeira que contará com a presença de Joe Biden e que servirá para fazer um ponto da situação nas relações transatlânticas após quatro anos tumultuosos com Donald Trump na Casa Branca.