This content is not available in your region

Joe Biden reforça compromisso com NATO perante "novos desafios"

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Joe Biden reforça compromisso com NATO perante "novos desafios"
Direitos de autor  Olivier Hoslet/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved   -  

O futuro da NATO passa por cerrar fileiras para fazer frente "aos novos desafios", vindos da Rússia e da China.

De visita a Bruxelas, o presidente dos EUA reforçou a importância de uma Aliança Atlântica forte, para manter a pressão sobre Moscovo.

No final da cimeira da NATO desta segunda-feira, e antes do encontro com o homólogo russo em Genebra, Biden considerou Vladimir Putin um "adversário" e deixou alertas, apesar de manter aberta a via do diálogo.

"Deixarei claro ao presidente Putin que há áreas em que podemos cooperar se assim o entender. Se não quiser cooperar e se agir da forma como agiu no passado em matéria de cibersegurança e em outras atividades, então responderemos à altura", sublinhou o presidente dos EUA.

A China também é uma prioridade para Joe Biden.

Se até então a narrativa da NATO em relação a Pequim não tinha sido tão contundente, agora o cenário é outro. A China é vista como uma ameaça em termos de segurança, com enfoque em minar o sistema global baseado em regulação.

"A China está a explorar rapidamente o arsenal nuclear com mais ogivas e um grande número de sistemas sofisticados de lançamento. A implementação da modernização nuclear é opaca. Está a cooperar do ponto de vista militar com a Rússia, inclusive através de exercícios na área euro-atlântica", referiu, em conferência de imprensa, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg.

Biden também aproveitou a cimeira de Bruxelas para reafirmar o compromisso dos EUA com o pacto de defesa mútua da NATO, conhecido como Artigo 5º.

Esta foi a primeira visita do presidente dos EUA para um encontro com os aliados da NATO desde que tomou posse. A visita serviu para "reforçar os laços transatlânticos", deixando para trás a turbulência da era Trump.