This content is not available in your region

Afegãos procuram apoio da comunidade internacional para sair do país

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Afegãos procuram apoio da comunidade internacional para sair do país
Direitos de autor  Olivier Matthys/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.   -  

Com a queda de Cabul nas mãos dos talibãs, milhares de afegãos procuram uma saída segura do país.

Akram, um cidadão belga de origem afegã, ficou repentinamente preso no Afeganistão, com a mulher e quatro filhos. As férias em família no país natal tornaram-se num pesadelo. Em entrevista à Euronews, recordou dias de angústia e de medo, antes de conseguir partir para a Bélgica.

"Foi muito perigoso. Os disparos, as multidões no aeroporto. Tudo isto fez-nos temer o pior", lembrou Akram.

Fez temer o pior pela segurança, mas não só.

Akram sublinhou que os afegãos receiam pelo bem-estar económico até porque os bancos, salários e transferências de dinheiro foram severamente afetados pelo curso dos acontecimentos.

"As pessoas estão muito dependentes da ajuda financeira enviada pela diáspora afegã em todo o mundo. Atualmente, como se sabe, empresas de envio de dinheiro como a Western Union e MoneyGram cessaram a atividade no Afeganistão. Por isso, a população local está privada dessa ajuda", acrescentou.

Milhares de afegãos continuam presos no país ou à procura de proteção internacional em outros países. São pessoas como Abdul Azim Azad, um migrante sem documentos oriundo de Cabul mas que passou a última década à procura de asilo na Bélgica. As tentativas falharam continuamente.

Ele e outros migrantes em situação idêntica esperam agora que a situação obrigue as autoridades a reconsiderar.

"A situação dá-nos alguns elementos para poder mostrar e explicar como estão as coisas. Para explicar qual é a realidade e mostrar que os afegãos precisam de ser reconhecidos pelo Estado belga, mas também por outros países europeus", referiu Abdul Azad.

As autoridades belgas em matéria de migração dizem que a ascensão de um regime talibã não garante automaticamente o sucesso de um pedido de asilo e lembram que o fim das hostilidades pode até tornar o país mais seguro.

O governo federal, por outro lado, parou, temporariamente, de deportar afegãos. Mas a situação pode mudar no futuro.

"Ninguém é enviado de volta para uma região em que existe perigo. Neste momento, o Afeganistão é perigoso. Então, está claro que ninguém é enviado de volta para o país. A situação será examinada todos os dias, todas as semanas, para saber se melhora ou não", sublinhou, em entrevista à Euronews, Sammy Mahdi, secretário de Estado belga para o Asilo e Migração.

As organizações não-governamentais que trabalham com migrações apelam aos governos europeus para protegerem os afegãos, evitando empurrá-los para um limbo.

"Este cenário leva realmente a uma situação de ilegalidade. As pessoas ficam sem autorização de residência, sem direitos. Serão convidados a sair do território, mas confrontados com a impossibilidade de sair voluntariamente e com a impossibilidade de as autoridades os expulsarem. São pessoas que estão condenadas a sobreviver na clandestinidade e na precariedade", alertou Sotieta Ngo, diretora organização não-governamental CIRé (Coordenação e Iniciativas para Refugiados e Estrangeiros).

No ano passado, mais de 400 mil afegãos pediram asilo na União Europeia. Apenas 10% obteve proteção.