This content is not available in your region

Ucrânia faz parte da família europeia mas não se aceitam atalhos

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Ucrânia faz parte da família europeia mas não se aceitam atalhos
Direitos de autor  Sarah Meyssonnier/AP   -  

A Ucrânia faz parte da família europeia, mas quanto a entrar pela fila rápida para o clube dos 27 Estados-membros a conversa é outra.

Reunidos em em Versalhes, numa cimeira informal de dois dias, os líderes europeus manifestaram-se a favor de abrir a porta a um novo membro, mas que não restem dúvidas: o processo pode demorar anos e não se aceitam atalhos.

A energia, defesa e a possibilidade de um novo fundo de recuperação económica estiveram em cima da mesa no segundo dia da cimeira de chefes de Estado e de Governo. Ficou claro que o futuro da União Europeia passa por ter mais autonomia energética em relação à Rússia, que não vê com bons olhos o facto de a Ucrânia cortejar o bloco europeu.

"Os pedidos de adesão da Ucrânia à União Europeia são expressões de soberania nacional, da vontade do país e do direito de escolher o próprio destino. Hoje abrimos o caminho para a Ucrânia chegar até nós. Eles fazem parte da família europeia", sublinhou, em conferência de imprensa, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

A dependência dos combustíveis fósseis russos é uma pedra no sapato dos 27. É difícil de descalçar no curto prazo, até porque neste campo a União Europeia está à mercê do país que tenta, ao mesmo tempo, castigar com pesadas sanções.

O corte da ligação vai doer - admitem os líderes europeus - mas o bloco comunitário já está à procura de alternativas.

"O REPowER EU é um plano para diversificar os fornecedores da União Europeia e mudar para as energias renováveis. Em meados de maio, apresentaremos uma proposta para dar resposta à nossa dependência do gás, petróleo e carvão russos até 2027, apoiados pelos recursos nacionais e europeus", acrescentou Ursula von der Leyen.

Em relação ao apoio militar à Ucrânia, os líderes europeus concordaram doar 500 milhões de euros suplementares para financiar armas para os ucranianos que combatem no terreno. O dinheiro vem do Fundo Europeu de Apoio à Paz.

"Países que até agora tinham uma tradição de neutralidade à mesa - estou a pensar na Suécia - decidiram, pela primeira vez em muitas décadas, participar neste apoio concreto à Ucrânia", lembrou o presidente francês, Emmanuel Macron.

Os líderes deixaram claro que há possibilidade de novas se avançar com sanções adicionais contra a Rússia a par das investigações sobre crimes de guerra por parte do regime do presidente Vladimir Putin.