This content is not available in your region

Chéquia quer Presidência da UE como "intermediária" do Estado de Direito

Access to the comments Comentários
De  Euronews
John Thys/Pool Photo via AP
John Thys/Pool Photo via AP   -   Direitos de autor  AP Photo

A Chéquia será um "intermediário honesto" em questões de Estado de direito, especialmente com os seus vizinhos Polónia e Hungria, durante a sua presidência do Conselho da UE, afirmou a Comissária Věra Jourová, Comissária de Valores e Transparência da Chéquia, à Euronews.

"A representação checa desempenhará o papel de intermediário honesto do diálogo aberto e contínuo sobre questões de Estado de direito"
Věra Jourová
Vice-Presidente da Comissão Europeia e Comissária para os Valores e Transparência

Praga assume a presidência rotativa de seis meses na sexta-feira e delineou entre as suas prioridades a resposta do bloco à guerra da Rússia na Ucrânia, segurança energética, defesa, resiliência económica e como enfrentar a crise do custo de vida e o aumento das relações comerciais com países em desenvolvimento.

Mas Věra Jourová, a Comissária de Valores e Transparência da Chéquia, disse que Praga também se concentrará no fortalecimento da democracia em todo o bloco.

"A representação checa desempenhará o papel de intermediário honesto do diálogo aberto e contínuo sobre questões de Estado de direito", disse Věra Jourová à Euronews.

A influência da Rússia no Grupo de Visegrado

Relativamente à Polónia e à Hungria, ambas em desacordo com Bruxelas por causa de reformas que enfraqueceram a independência da justiça, dos meios de comunicação social e da sociedade civil ou que visavam os direitos das mulheres e das minorias, a Comissária disse que como "são vizinhos nativos da Chéquia" é provável que seja "geograficamente complicado" para o município.

Os três países, juntamente com a Eslováquia, formam o Grupo de Visegrado, uma aliança cultural e política com reuniões regulares. Mas começaram a aparecer falhas na união destes países quando a Rússia começou a invadir a Ucrânia, a 24 de fevereiro. Falhas que se alargaram à medida que foram sendo impostas sanções da UE contra Moscovo – especialmente entre Varsóvia e Budapeste.

A Polónia assumiu uma das posições mais fortes da UE contra a Rússia, enquanto a Hungria e o seu primeiro-ministro, Viktor Orbán, mostram-se cada vez mais contra e resistentes a sanções contra Moscovo.

Mas Jourová enfatizou que, apesar disso, que acredita "que a Representação terá como tarefa facilitar um debate e fazer mais para fortalecer o princípio do Estado de direito na Europa como tal".

UE e a Hungria de Viktor Orbán

Bruxelas acionou o novo mecanismo de Estado de Direito contra Budapeste no final de abril devido a preocupações com corrupção e alegações de que o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, e os seus aliados desviaram dinheiro da UE que estaria destinado, por exemplo, a ONGs.

O mecanismo, aprovado pelo Tribunal de Justiça Europeu no início deste ano - depois de uma contestação da Hungria e da Polónia - permitiria que o Executivo da UE retivesse fundos da UE para os estados membros que violam os valores centrais do bloco sobre o estado de direito.

Entretanto, a Comissão e Varsóvia estão atualmente em desacordo quanto ao desembolso do fundo de recuperação da UE. Bruxelas disse que não liberaria a primeira parcela de fundos até que a Polónia faça mudanças em algumas reformas judiciais controversas, incluindo a substituição de um regime disciplinar de juízes.

Jourová salientou ainda que espera que a Presidência checa assuma com "a toda velocidade e responsabilidade" a Lei de Liberdade dos Comunicação Social, que apresentará no início de setembro.

"Acredito que a Lei de Liberdade da Comunicação Social pode ter um impacto positivo no fortalecimento da democracia ao mesmo tempo em que fortalece a comunicação social", disse a comissária à Euronews.