This content is not available in your region

Mecanismo Europeu de Proteção Civil ativado com mais frequência

Access to the comments Comentários
De  Euronews
 Centro de Coordenação de Resposta de Emergência (CCRE) tem uma equipa, sempre a postos, que gere os pedidos de assistência
Centro de Coordenação de Resposta de Emergência (CCRE) tem uma equipa, sempre a postos, que gere os pedidos de assistência   -   Direitos de autor  European Union, 2022   -  

No ano passado, inundações em várias partes da Europa semearam um rasto de morte e destruição. Este ano, são os incêndios florestais que estão a provocar uma devastação sem precedentes em todo o continente.

Em momentos assim, em que os países não conseguem dar resposta individualmente, a União Europeia é chamada a intervir.

Em Bruxelas, o Centro de Coordenação de Resposta de Emergência (CCRE) tem uma equipa, sempre a postos, que gere os pedidos de assistência, ativando o que é conhecido como Mecanismo Europeu de Proteção Civil.

Com temperaturas recorde já atingidas esta ano, será que as coisas estão a piorar?

"Há dois anos, a situação estava relativamente calma, mas foi uma espécie de surpresa. Não é a norma. Mas, nos últimos cinco anos, desde 2017, houve um aumento acentuado em termos de ativação do Mecanismo [de Proteção Civil] para incêndios florestais, não só para a Europa, mas também para países vizinhos, norte da África, com pedidos também a chegarem da Geórgia", sublinhou, em entrevista à Euronews, Antoine Lemasson, diretor do Centro Europeu de Coordenação de Resposta de Emergência.

Do mecanismo fazem parte os 27 Estados-membros e seis países de fora do bloco comunitário.

Beneficiam de equipamentos de reserva vitais, como aviões de combate aos incêndios, helicópteros e ajuda médica.

Equipas de resgate e salvamento também estão disponíveis para entrar em ação sempre que for preciso.

O diretor Centro de Coordenação de Resposta de Emergência diz que apesar da capacidade de reação os desafios, provocados pelas alterações climáticas, os problemas são cada vez maiores.

"Indicamos que a temporada oficial de incêndios florestais começa em junho, mas, na verdade, entramos na temporada em fevereiro, no cinturão sul na Córsega. Há fogos em janeiro e fevereiro. Há vegetação muito seca na primavera. Falta chuva durante a primavera. Então, quando chegamos ao início do verão a situação já é bastante difícil. É um padrão e penso que teremos de conviver com isso todos os anos a partir de agora", lembrou Antoine Lemasson.

Na Europa, os fogos florestais continuam a não dar tréguas.

Entre as áreas afetadas esta segunda-feira estão a ilha de Tenerife, em Espanha, ou o norte da Grécia.

Portugal também não escapa à fúria das chamas.