This content is not available in your region

Cidade de Amesterdão testa tecnologia para monitorizar multidões

De  Paul Hackett  & euronews
Cidade de Amesterdão testa tecnologia para monitorizar multidões
Direitos de autor  euronews

O município de Amesterdão está a testar uma tecnologia para monitorizar multidões.

O sistema baseado na Inteligência Artificial (IA) está em funcionamento em dois locais, o recinto Johan Cruyff Arena e em Marineterrein, uma zona balnear ao ar livre perto do centro da cidade.

Câmaras, sensores e um algoritmo de IA estimam o número de pessoas que se encontram numa determinada área. No Marineterrein, os nadadores que não queiram ser filmados podem carregar num botão o que permite bloquear a câmara durante quinze minutos. Uma aplicação para smartphone e os ecrãs instalados no local informam os visitantes sobre a presença de pessoas na área. Para saber mais detalhes sobre a nova tecnologia, a euronews falou com Rachel Tienkamp, responsável do município de Amesterdão.

euronews: “O projeto Public Eye era uma prioridade para a cidade de Amesterdão? Por que razão era necessário implementar essa tecnologia?

Rachel Tienkamp : “Para a cidade de Amesterdão, era uma prioridade desenvolver uma tecnologia em torno da gestão de multidões. No caso do Public Eye, a nossa preocupação era o crescimento da cidade onde há cada vez mais gente e é importante saber onde se encontram os pontos mais lotados, saber quais são as áreas onde há gente ou onde não há pessoas. Isso permite-nos saber com exatidão o que temos de fazer, quando é que é preciso e, especialmente, onde é preciso intervir. ”

euronews: “A tecnologia melhorou as coisas? Funcionou?

Rachel Tienkamp : “A tecnologia tem funcionado. Absolutamente ! É muito bom constatar que quando sabemos onde está a multidão, sabemos como agir e sabemos quando não devemos agir, quando a situação ainda é suficientemente confortável e há espaço suficiente. Não é necessário agir por tudo e por nada. Por isso, a tecnologia ajuda-nos a ser eficazes, mas também a ser eficiente com os meios de que dispomos. ”

euronews: “Em termos de privacidade e segurança, o que fazem para garantir que essas informações não sejam mal utilizadas?

Rachel Tienkamp: “Enquanto município de Amesterdão, fazemos muitas coisas para garantir que esses dados não sejam usados indevidamente. Os nossos padrões de exigência são muito elevados. Em relação ao Public Eye, não armazenamos as imagens, redirecionamos as imagens imediatamente ou fazemos um mapa de calor e armazenamos apenas as coordenadas e o número de pessoas. Mas não conservamos qualquer informação sobre as pessoas. Apenas os números: quantas pessoas estão numa determinada área. Pensamos que é muito importante que a tecnologia seja segura, e que garanta proteção e privacidade.”

euronews: “Amesterdão está na vanguarda da revolução das cidades inteligentes e trabalha em parceria com empresas privadas. É uma área em crescimento?

Rachel Tienkamp: “A cidade de Amsterdão trabalha muito com grandes e pequenas empresas região. O mercado está a crescer muito. E gostamos de experimentar coisas, descobrir o que funciona para resolver determinados problemas. Há certas soluções que desenvolvemos nós próprios mas há outras soluções que são o fruto de um trabalho com empresas privadas e com institutos especializados. Desenvolvemos juntos a tecnologia para descobrir o que funciona melhor. ”