This content is not available in your region

As cidades do futuro vão promover mais caminhadas

Access to the comments Comentários
De  Gaia Lamperti
Barcelona City
Barcelona City   -   Direitos de autor  credit Barcelona City Council.jpg   -  

As cidades que mais incentivam os cidadãos a caminhar vão aproveitar muitos benefícios económicos e de saúde no futuro. 

Inevitavelmente pressionados pelas mudanças comportamentais após a pandemia do COVID-19, os legisladores de políticas têm concentrado atenções cada vez mais na criação de ambientes propícios para caminhadas

“A pandemia do COVID-19 trouxe, à ordem do dia, as necessidades fundamentais das populações urbanas, como e onde as pessoas passam o tempo nas cidades”, admitiu à Euronews Next Richard Lambert, diretor do think tank de transporte urbano e empresa social Fare City, com sede em Londres.

“Isso levou a pedidos para tornar permanentes essas mudanças temporárias na forma como usamos o espaço nas cidades e como abordamos as questões de equidade à volta da falta de acesso de muitas populações urbanas a espaços abertos, verdes e amigos das pessoas”, acrescentou.

Cidades resilientes ao clima

Mesmo antes do início da pandemia, as políticas urbanas para sistemas de transporte mais sustentáveis ​​já estavam a ser aplicadas globalmente, como parte do combate às alterações climáticas. 

As cidades contribuem com 70% das emissões mundiais de gases de efeito estufa, sendo o transporte responsável por 21% delas. Mudar para caminhar ou para andar de bicicleta pode reduzir drasticamente as emissões, e são as formas mais rápidas e eficientes de descarbonizar o transporte.

Na opinião de Lambert, isso será fundamental para “enfrentar o desafio de como criar cidades resilientes ao clima e mais habitáveis ​​que melhorem a qualidade de vida". 

Entre as 12 tendências que moldarão o futuro das cidades previstas pela Deloitte, pelo menos quatro estão estritamente relacionadas com tornar os ambientes urbanos mais caminháveis, ao criar espaços verdes, implementando 'bairros de 15 minutos' e adotando sistemas de mobilidade inteligentes e sustentáveis.

Já existem muitos exemplos de grandes centros urbanos em todo o mundo, incentivando os moradores a caminhar mais. É o caso do projeto Superblock, em Barcelona, ​​uma área de nove quarteirões fechada ao trânsito, com vias para pedestres e amplas áreas verdes. Lambert chama o projeto de “um ótimo modelo para a realocação de espaço de carros e pessoas, centrado em quarteirões residenciais e de uso misto”.

Superblock em Barcelona
Superblock em BarcelonaSuperblock em Barcelona

Centros urbanos amigos das pessoas

Transformar as cidades em centros mais caminháveis ​​é positivo para a limitação das emissões climáticas mas também pode significar mais qualidade de vida nas próprias comunidades.

“Uma parte fundamental é garantir que ruas e espaços sejam igualmente acessíveis para pessoas de todas as idades, géneros, etnias e origens socioeconómicas”, explicou Lambert.

“Integrar o acesso amigável e as conexões com sistemas e hubs de transporte sustentáveis ​​é importante para deixar de depender de meios de transporte privados”.

Por último, mas não menos importante, as cidades precisam de incentivar as pessoas a caminhar, argumenta Lambert. 

Um excelente exemplo de um esquema de viagem ativo cuidadosamente planeado e projetado com bom gosto, o qual está trazer melhorias tangíveis para a comunidade local, bem como a reconstrução da paisagem, pode ser encontrado perto de Cambridge, em Inglaterra.

Um masterplan de extensa infraestrutura de transporte sustentável dentro e fora do local, o Waterbeach inclui uma série de trilhos para caminhadas à beira-mar, conectando-se a ruas externas e ligando-se a vilarejos próximos, centros de emprego e à própria cidade de Cambridge.

“Desde o estabelecimento de uma combinação diversificada de uso da terra, que reduz a necessidade de viagens, ao investimento em infraestrutura desde o primeiro dia, há muitas maneiras de evitar comportamentos precoces de dependência do carro, porque esses hábitos são muito mais difíceis de quebrar mais tarde na vida.”, disse à Euronews Next Stina Hokby, sócia do estúdio de arquitetura e design urbano por detrás do projeto, Fletcher Priest Architects.

“A infraestrutura pedonal desempenha um papel fundamental,  que facilita a escolha de meios de transporte sustentáveis ​​em detrimento do automóvel”.

O esquema foi projetado com estilos de vida saudáveis ​​em mente; incorpora instalações desportivas, ciclovias, áreas de lazer e 17.000 árvores recém-plantadas.

Ganho económico e social

Além dos benefícios óbvios para a saúde, as viagens ativas também pagam enormes dividendos para a economia de uma cidade. Vários estudos mostram que estes incluem melhoria do espaço urbano, emprego, gastos diretos, economias financeiras no setor de saúde e crescimento generalizado e inclusivo.

“As pessoas que caminham e andam de bicicleta gastam mais em lojas do que as que conduzem”, disse Lambert.

“Além disso, os valores imobiliários aumentam quando os lugares e as ruas são mais amigáveis ​​para caminhadas, embora isso possa ter impactos na equidade de acesso à vida nas cidades”.

Áreas com menor volume de trânsito promovem mais conexões sociais entre as comunidades.

Claramente, caminhar ou andar de bicicleta podem ser consideradas as formas mais equitativas de mobilidade, por serem as mais baratas, diz Lambert.

“A chave é garantir que os espaços e ruas das cidades que estejam a trabalhar para promover caminhadas sejam feitos com todos os usuários e populações da cidade em mente, não apenas aqueles que atualmente usem o espaço ou viajem desse modo”, concluiu.