This content is not available in your region

A megalópole que se pode percorrer de jeepney

A megalópole que se pode percorrer de jeepney
De  Euronews

<p>As Filipinas são uma terra de exotismo e contrastes. Manila tornou-se numa megalópole. Na primeira edição de uma série de quatro, o “Philippine Life” vai à descoberta de uma cidade ao mesmo tempo tradicional e visionária, onde vivem 12 milhões de habitantes.</p> <p>Aqui quase parece que os arranha-céus nascem espontaneamente. Manila é uma dez maiores cidades do mundo, com um ritmo de crescimento que não pára de aumentar. Os centros empresariais ultra-modernos refletem um dinamismo muito particular, como explica o arquiteto Dominic Galicia: “Manila tem uma linha de horizonte diversificada, multifacetada. É uma metrópole. Nasceu na zona onde o rio Pasig entra na baía. É aí que está a parte velha da cidade. Manila veio de lá.”</p> <p>Tentar a sorte na capital – é o que fazem, todos os anos, um sem-número de filipinos oriundos das zonas rurais. A média de idade da população local é de apenas 23 anos. As indústrias criativas estão em pleno boom. Oliver Tolentino é um dos exemplos. Por mais que viaje, o estilista vem sempre buscar inspiração à vibrante Manila, dando primazia aos materiais nacionais. A moda amiga do ambiente tornou Oliver num sucesso que chegou a Hollywood.</p> <p>Muitos filipinos encarregam-se de promover o país no exterior. Há inúmeros investidores estrangeiros a apostar em Manila. O desenvolvimento dos setores da indústria eletrónica e dos serviços catapultou o país. Mas não só os números que contam. “Os investidores estrangeiros consideram uma série de fatores antes de avançar. A hospitalidade, por exemplo. Tendo vivido mais de 15 anos nas Filipinas, posso assegurar que é um país muito hospitaleiro. Em segundo lugar, existe o fator humano: as empresas têm à disposição uma enorme comunidade de falantes de inglês. É outra grande vantagem”, afirma Neeraj K. Jain, diretor nacional do Asian Development Bank.</p> <p><div style="width:280px; float:right; margin:20px;"> <div style="border-top: #333 3px double; border-bottom: #333 3px double; font-size:12px; padding-top:16px;"> <h3>Ficha de Apresentação da República das Filipinas</h3></p> <p>Geral <ul> <li>População (<span class="caps">ADB</span>, 2012): 95,77 milhões</li> <li>Capital: Manila</li> <li>Área: 300,000 km2</li> <li>Presidente: Benigno “Noynoy” Aquino <span class="caps">III</span></li> <li>Línguas: Filipino, Inglês</li> <li>Grupos Étnicos: Igorot, Tribos Caraballo, Agta/Aeta ou Negrito, Mangyan de Mindoro, Palawan, Mindanao Lumad</li> <li>Religiões: Católica, Islâmica</li> </ul></p> <p>Economia <ul> <li><span class="caps">PIB</span> (2011, Banco Mundial): 224,8 mil milhões de dólares</li> <li>Crescimento do <span class="caps">PIB</span> (<span class="caps">ADB</span>, projeção 2013-14): 6.0% (2013), 5.9% (2014)</li> <li><span class="caps">PIB</span> per capita (2011): 2,370 dólares</li> <li>Taxa de Desemprego (<span class="caps">ADB</span>, 2012): 7.0%</li> <li>Nível de Rendimentos (Banco Mundial): médio baixo</li> <li>Ranking Empresarial 2013: 138</li> </ul></p> <p></div><br /> </div></p> <p>A mistura de culturas também ajuda. Durante 300 anos, as Filipinas pertenceram à coroa espanhola. Aliás, uma presença bem vincada na parte velha da cidade, a zona intramuros. Após o reinado espanhol, foram os Estados Unidos que dominaram, durante quase 50 anos. A Segunda Guerra Mundial deixou para trás inúmeros veículos militares. Daí surgiu uma engenhosa ideia: cortar os jipes a meio e acrescentar um corpo maior. Nascia o jeepney. Ainda hoje em dia, é um dos meios de transporte mais usados em Manila. </p> <p>Ed Sarao tem uma relação muito particular com estes veículos. O seu pai fundou a conhecida Sarao Motors, que produz jeepneys feitos à mão. “Não há dois jeepneys iguais nas ruas de Manila. É como um fato feito à medida. O cliente pode pôr o que quiser. Serve para trabalhar, como transporte público e é ainda um ícone pop filipino”, salienta Ed.</p> <p>Sem jeepneys, consideram muitos, o charme de Manila não seria o mesmo.</p>