Última hora
This content is not available in your region

Ministro italiano chama "maricas" aos eurodeputados que vetaram Buttiglione

Ministro italiano chama "maricas" aos eurodeputados que vetaram Buttiglione
Tamanho do texto Aa Aa

O Parlamento Europeu passa a batata quente a Durão Barroso. Os líderes dos diferentes grupos políticos não conseguiram chegar a um acordo sobre Rocco Buttiglione.

No próximo dia 21, perante a assembleia parlamentar, Barroso terá de dizer o que pretende fazer com o comissário para a Justiça, que declarou que “a homossexualidade é um pecado”. Barroso já esta quarta-feira reiterou a sua confiança no comissário italiano. Um erro, considera Martin Schultz, presidente do grupo socialista. “Se o Sr. Barroso continua assim, vai ter más experiências… Por isso, aconselho-o a reagir de forma mais séria.” A crise é latente, no Parlamento Europeu. O líder dos populares – que apoiaram a nomeação de Barroso -, Hans-Gert Poettering, limitou-se a dizer que “as várias comissões parlamentares enviaram cartas com a sua posição e que, agora, Durão Barroso deve dar uma resposta”. A aumentar o psicodrama parlamentar, as declarações do ministro italiano Mirko Tremaglia, que chamou “maricas” a todos os eurodeputados que se opõem a Rocco Buttiglione. O presidente do Parlamento Europeu foi apanhado de surpresa: “Não as conhecia. Acabaram de contar-mas resumidamente. Francamente, não me parecem declarações muito apropriadas.” Pela primeira vez, o Parlamento veta um comissário. E seis outros foram aprovados mas com críticas. A tomada de posse da futura Comissão Europeia, no próximo dia 27, está, pois, por um fio. Barroso tem agora de medir muito bem o seu próximo passo.