A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Câmara baixa do parlamento russo adopta protocolo de Quioto.

Câmara baixa do parlamento russo adopta protocolo de Quioto.
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os ambientalistas da Greepeace prometem festejar o acontecimento com Vodka. A Duma ratificou o protocolo de Quioto. Um primeiro passo na mudança de atitude da Rússia, que abre caminho para tornar obrigatórias em todo o mundo as disposições relativas à redução da emissão de gases poluentes para a atmosfera.

Como estava previsto, a Duma, dominada pelo Kremlin, aprovou a adopção do acordo internacional: 334 votos a favor e 73 votos contra. O próprio Vladimir Putin, que terá que promulgar a decisão nos próximos noventa dias, já se tinha pronunciado a favor da ratificação do protocolo, em troca do apoio da União Europeia à candidatura russa à Organização Mundial do Comércio. Actualmente a Rússia reduziu em cerca 30% a emissão de gases poluentes desde a queda da União soviética. Mesmo assim o país pertence ao grupo dos países mais poluentes do mundo, que em conjunto com a China e os Estados Unidos, não ratificaram o protocolo de Quioto que reúne 126 países. O voto da Duma representa um primeiro passo para a entrada em vigor do acordo da ONU, uma vez que, com a ratificação da Russia, os países que produzem 55% da poluição mundial terão adoptado o protocolo. O documento obriga as nações mais ricas do mundo a reduzir as emissões de dióxido de carbono em 5,2% até 2008-2012, através da aplicação de energias renováveis.