Última hora
This content is not available in your region

Comissão de Barroso arrisca chumbo do Parlamento Europeu

Comissão de Barroso arrisca chumbo do Parlamento Europeu
Tamanho do texto Aa Aa

O caso Buttiglione pôs frente-a-frente o presidente indigitado da Comissão Europeia e os líderes das bancadas do hemiciclo de Estrasburgo. Durão Barroso precisa do apoio dos socialistas para obter a aprovação da sua equipa no dia 27. Mas as convicções morais de Rocco Buttiglionne sobre a homossexualidade e o papel da mulher levaram a esquerda europeia a pedir a Barroso que não lhe atribua a pasta da Justiça e Liberdades Civis. O antigo primeiro-ministro português recusou, afirmando que lhe cabe a ele “a responsabilidade nas escolhas individuais e que ao parlamento cabe tomar as suas responsabilidades na votação da próxima semana.”

O hemiciclo não pode chumbar um comissário individualmente, traduzindo-se um voto negativo na recusa de toda a Comissão. O líder da bancada socialista, o alemão Martin Shulz, afirma ter pedido a Barroso para “mudar algo de forma a obter um voto favorável” da parte do seu grupo parlamentar, mas Barroso, “não mudou nada” pelo que os socialistas “não vão aprovar esta comissão.” Na origem do braço-de-ferro estão as declarações do italiano Rocco Buttiglione que qualificou a homossexualidade de “pecado” e afirmou que a família existe para “a mulher ter filhos e ser protegida pelo marido”. Apesar de se ter retratado numa carta a Barroso e deste assumir a responsabilidade política directa na questão das Liberdades Individuais, a futura Comissão pode estar ameaçada se todas as partes se mantiverem intransigentes.