Última hora

Última hora

Pitcairn contesta jurisdição britânica para julgar queixas de agressões sexuais

Em leitura:

Pitcairn contesta jurisdição britânica para julgar queixas de agressões sexuais

Pitcairn contesta jurisdição britânica para julgar queixas de agressões sexuais
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de cinco anos de investigação e três semanas de julgamento, foram considerados culpados seis dos sete homens de Pitcairn acusados de violação e agressões sexuais de raparigas de 12 anos. As sentenças serão lidas esta semana pelo tribunal britânico, em Adamstown, a capital de Pitcairn.

Mas os 47 habitantes da ilha do Pacífico Sul avançaram com um processo na Nova Zelândia, contestando a jurisdição britânica sobre a colónia formada no século XVIII pelos amotinados do navio “Bounty”. As queixosas, que testemunharam por vídeo-conferência desde a Nova Zelândia, relatam violações e agressões sexuais, factos ocorridos há cerca de 40 anos. As mulheres da ilha falam de uma tradição e a esposa de um réu afirma que o marido é inocente e não é um pedófilo. O presidente da Câmara é o que incorre em penas mais severas. A pequena comunidade teme pela sua sobrevivência, pois sem porto nem aeroporto, são os acusados que melhor conhecem a difícil costa da ilha e os meios para atracar os barcos, único elo de ligação com o Mundo.