Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O que nos traz a Constituição

O que nos traz a Constituição
Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro Tratado europeu foi assinado em Roma. Quase 50 anos depois, exactamente na mesma sala, a Europa assinou a sua primeira Constituição.

Alargada a Vinte e Cinco Estados membros e a mais de 450 milhõs de cidadãos, a União precisava de ferramentas legislativas simplificadas. Foi nessa óptica que foi redigida a Constituição Europeia. Ela resume os tratados já em vigor, estabelece regras de procedimento e inclui também a Carta dos Direitos Fundamentais da União. Além do mais, reforça a democracia. Exemplo disso, é o novo “direito de iniciativa popular”: a Comissão Europeia passa a ser obrigada a propor uma determinada directiva se, pelo menos, um milhão de cidadãos assinar uma petição nesse sentido. A própria Comissão sofrerá mudança. Do actual sistema de um comissário por país, passará a um executivo mais reduzido a partir de 2014, para agilizar a instituição. O Parlamento Europeu, esse, terá duas vezes mais poderes do que agora. Passa a ser co-decisor de quase todas as futuras leis europeias, em conjunto com o Conselho. Partilha igualmente as decisões sobre o orçamento europeu e elege o presidente da Comissão, sob proposta dos dirigentes europeus. Outra novidade é a criação do cargo de Presidente da União, nomeado por dois anos e meio e que substituirá, assim, as actuais presidências rotativas semestrais. Para pôr fim à diplomacia bicéfala da Europa, será criado o cargo de Ministro da União para os Negócios Estrangeiros. Este ministro, que será vice-presidente da Comissão, fará a ligação com o Conselho. O sistema de voto no Conselho de Ministros sofre também alterações. As decisões passam a ser tomadas com o voto favorável de 55% dos Estados membros, desde que representem 65% da população europeia. Além disso, alguns dossiês – como a imigração e asilo, por exemplo – passam a ser decididos por maioria qualificada, em vez da actual unanimidade, o que impede que um só país vete uma determinada decisão. A Constituição contém ainda uma cláusula de solidariedade, criada após os atentados de 11 de Março, em Madrid. Se um Estado membro é alvo de um ataque terrorista, os restantes participam na sua defesa. Um por todos, todos por um.