Última hora

Última hora

Inglaterra: Medidas restritivas para proteger a saúde pública

Em leitura:

Inglaterra: Medidas restritivas para proteger a saúde pública

Inglaterra: Medidas restritivas para proteger a saúde pública
Tamanho do texto Aa Aa

Para grandes males, grandes remédios. A Grã-Bretanha prepara-se para combater o alcoolismo, a obesidade, as doenças sexualmente transmissíveis e o tabagismo, em Inglaterra, com um pacote de medidas que acaba de ser anunciado pelo Ministério da Saúde.

A mais polémica das medidas será a interdição de fumar em locais públicos.John Reid o ministro britânico da Saúde justifica: “Há 30 anos, quase metade da população adulta deste país fumava, 46%. Agora são 26%. Vamos retirar ainda dois milhões de pessoas destas percentagens nos próximos cinco anos” Para alcançar este objectivo, os ingleses poderão fumar apenas em casa, na rua ou em 10% dos bares e clubes nocturnos, ou seja só naqueles que apenas servem bebidas. O precedente foi criado na Escócia e na Irlanda, apoiado por 58% da população, mas considerado ligeiro pelos defensores das medidas. Anna Coote da organização King’s Food afirma: “Penso que é uma oportunidade a não perder tal como o que aconteceu na Irlanda, que é um exemplo extraordinário, ninguém imaginava que a proibição de fumar pudesse funcionar na Irlanda ou mesmo ser popular, mas funcionou porque era definitiva, toda a gente sabia que seria assim a partir daquele dia”. Excluindo os bares que não servem comida, a proibição de fumar arrisca-se a provocar a confusão e a concorrência entre os estabelecimentos para além de acentuar os problemas com o álcool. os conservadores vão mesmo mais longe,pela voz do secretário Andrew Lanslay:“Penso que as proibições que o governo quer impôr vão levar as pessoas a fumarem e a beberem em casa, expondo mais ainda os fumadores passivos, a família e as crianças”. Mas, a não haver grande constestação, ou rejeição da lei pelo parlamento, os fumadores ingleses devem começar a preparar-se para as restrições ou para pagarem multas de 3750 euros, a partir de 2008.