Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

G-20 ineficaz contra queda do dólar

G-20 ineficaz contra queda do dólar
Tamanho do texto Aa Aa

A reunião dos ministros das Finanças do G-20, este fim-de-semana em Berlim, deve ter poucos efeitos nos movimentos de divisas, nomeadamente na alta excessiva do euro, segundo a maioria dos analistas.

A presença mais esperada é a de John Snow, secretário norte-americano do Tesouro. Depois de ter já prometido agir para controlar a queda do dólar, Snow diz que “este não é o lugar ideal para discutir o assunto”. Nancy Verret, analista do banco Fortis, diz que um dólar fraco acaba por ser uma necessidade: “Penso que vai haver um consenso em relação à necessidade de enfraquecimento do dólar, para que se resolva o problema do défice na conta-corrente americana. Os decisores europeus também concordam que não há nada que se possa fazer contra este fenómeno”, afirma. O ministro alemão das Finanças, Hans Eichel, mostrou-se preocupado com a alta do euro e diz que uma nova baixa do dólar seria prejudicial, quer para a economia europeia, quer para a norte-americana. Também o presidente do Conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE),Jean-Claude Trichet, disse que a alta do euro era “brutal” e “não era bem-vinda”. No entanto, os bancos centrais pouco podem fazer. Isso mesmo foi dito pelo presidente da Reserva Federal norte-americana, Alan Greenspan, num congresso, em Frankfurt, esta sexta-feira, antes de partir para Berlim. O G-20 junta os sete países mais industrializados do mundo, também chamados G-7, e um conjunto de economias em vias de desenvolvimento.