A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Antigos heróis da Europa de Leste apoiam oposição ucraniana

Antigos heróis da Europa de Leste apoiam oposição ucraniana
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Viktor Iushenko recebeu hoje o apoio de Lech Walesa, prémio nobel da paz e antigo dirigente do sindicato polaco Solidariedade cujo combate contribuiu para a queda do regime comunista de Varsóvia.

O antigo presidente polaco deslocou-se à Praça da liberdade onde estão concentrados várias centenas de milhares de manifestantes pelo quarto dia consecutivo. Depois do anúncio dos resultados oficiais, ontem, ao final do dia, com a vitória a ser atribuída a Ianucovitch por uma diferença de três pontos percentuais, a oposição ucraniana apresentou hoje ao Supremo Tribunal um pedido de impugnação da eleição presidencial de domingo. No seu discurso, Viktor Yushenko prometeu bater-se até à vitória e apelou aos seus apoiantes para se manterem a mobilizados. O líder da oposição teve ainda uma palavra especial para os estudantes e para os militares. Perante a multidão referiu ainda o apoio do Ocidente e sublinhou os casos do Reino Unido e da Alemanha, que recusaram reconhecer a vitória de Ianucovith. A crise ucraniano está a dividir a comunidade internacional e as posições assumidas parecem tiradas do baú da guerra fria. Moscovo felicitou Viktor Ianucovitch enquanto Bruxelas e Washington denunciam as fraudes eleitoriais e exigem a verdade democrática. Vladimir Putin chegou esta manhã à Holanda para participar na cimeira União Europeia-Rússia com a crise ucraniana a dominar a agenda de trabalhos. Numa tentativa de colocar um pouco de água na fervura, Ianucovitch propôs ontem ao seu adversário a abertura de negociações. Entretanto o presidente cessante, Leonid Kuchma pediu aos seus homólogos lituano e polaco para servirem de mediadores às conversações. Finalmente Yuchenco declarou esta manhã que uma mediação internacional é fundamental para resolver a crise actual de forma pacífica.