Última hora
This content is not available in your region

Ancara exige início das negociações para reconhecer Chipre

Ancara exige início das negociações para reconhecer Chipre
Tamanho do texto Aa Aa

A Turquia só reconhecerá a República de Chipre após a abertura das negociações de adesão do país à Europa. Esta é a reacção de Abdullah Gul ao esboço preparado pela presidência holandesa da União. No texto, ao qual a agência Reuters teve acesso, são impostas condições rígidas a Ancara, para começar a negociar.

O chefe da diplomacia de Ancara já afirmou repetidamente que a Turquia não deve ser alvo de condições diferentes das exigidas aos outros candidatos – no que é apoiado pelo primeiro-ministro britânico, Tony Blair, e pelo presidente cipriota. No entanto, Tassos Papadoupoulos espera que a Turquia reconheça de facto a República de Chipre. Esta é uma das principais condições contidas no texto holandês. O chefe da diplomacia turca inverteu, pois, a ordem dos factores: primeiro as negociações, depois o reconhecimento de Chipre. Outra condição contida no documento é a manutenção de restrições permanentes aos trabalhadores turcos. O texto prevê ainda que as negociações sejam suspensas se um terço dos Estados considerar que as reformas de Ancara não estão a ir no bom caminho. A proposta da presidência holandesa, que deverá servir de base de trabalho para a Cimeira Europeia de Dezembro, é mais restritiva do que o relatório da Comissão. Em Outubro, Bruxelas publicou um texto no qual recomenda a abertura das negociações com a Turquia, desde que as reformas continuem a ser implementadas. Segundo o texto holandês, a adesão da Turquia não se efectuará antes da aprovação do orçamento comunitário para 2014-2020. Mas o documento, que será discutido, na quarta-feira, pelos embaixadores dos Vinte e Cinco, deixa em branco dados importantes, como “se” e “quando” as negociações terão início.