Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Portugal adere à nova PAC já em Janeiro

Portugal adere à nova PAC já em Janeiro
Tamanho do texto Aa Aa

A partir de 1 de Janeiro, os agricultores portugueses – assim como os de nove outros países – vão ter de adaptar-se à nova PAC. A Política Agrícola Comum foi reformada e a nova versão entra em vigor já em 2005, confirmou esta quinta-feira a Comissão Europeia.

A reforma foi acordada pelos Estados membros em Junho do ano passado, depois de árduas negociações. A principal mudança é que, daqui para a frente, as ajudas que os agricultores vão receber serão independentes das quantidades produzidas. A adesão à reforma será faseada. Em 2005, aderem Portugal, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Itália, Luxemburgo, Suécia, Reino Unido e Irlanda. Um ano depois, entram mais cinco: Espanha, Holanda, Grécia, Finlândia e França, que é a primeira potência agrícola europeia e principal beneficiária da PAC. Malta e Eslovénia entram em 2007 e os restantes oito (Polónia, Hungria, República Checa, Eslováquia, Lituânia, Letónia, Estónia e Chipre) aderem em 2009. As ajudas directas transformam-se, assim, em “pagamentos únicos por exploração”, atribuídos em função de critérios como o respeito pelas normas ambientais, a segurança alimentar ou o bem-estar dos animais. Para já, o novo sistema vai aplicar-se aos cereais e à produção de carne e de leite. Depois, alargar-se-á ao tabaco, ao azeite e ao algodão. A comissão considera que, com esta reforma, os agricultores serão mais competitivos – sem, contudo, perderem estabilidade económica. Simultaneamente, a União Europeia estará em conformidade com as regras da Organização Mundial do Comércio.