Última hora
This content is not available in your region

Bruxelas quer mais dinheiro para África

Bruxelas quer mais dinheiro para África
Tamanho do texto Aa Aa

Mais ajuda para África precisa-se. É o pedido lançado pela Comissão Europeia aos Estados membros. Os Vinte e Cinco já são o maior doador mundial, mas Bruxelas quer que eles concentrem os esforços na extrema pobreza do continente africano. Objectivo: reduzir a pobreza para metade até 2015, como propôs a ONU.

O comissário para a Ajuda Humanitária quer que os Estados membros aumentem as contribuições para 0,51% do Produto Nacional Bruto, em 2010, em vez da média actual de 0,36 por cento. Perante o Parlamento Europeu, Louis Michel explicou: “Em 2001, a Comissão formulou uma política e um programa de acção para lutar contra as três principais doenças da pobreza, a saber: a sida, a tuberculose e o paludismo. Em 2004, a Comissão apresentou o balanço dessas acções, que mostra que a contribuição financeira para a luta contra estas doenças foi multiplicada por quatro e que houve também um aumento da parte adjudicada à investigação.” O objectivo, fixado em 1970, é que, em 2015, os países mais ricos do mundo doem 0,7% do PNB para o desenvolvimento. A maioria não cumpre. Os Estados Unidos, por exemplo, contribuem com 0,16% e o Japão com 0,19 por cento. Na União Europeia, apenas a Dinamarca, Suécia, Holanda e Luxemburgo respeitam o compromisso.
A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.