Última hora
This content is not available in your region

Justiça francesa investiga especulação bolsista de funcionários europeus

Justiça francesa investiga especulação bolsista de funcionários europeus
Tamanho do texto Aa Aa

O Ministério Público de Paris abriu um inquérito judicial sobre a suspeita de uso de informação privilegiada por funcionários europeus durante a fusão das siderúrgicas Alcan e Pechiney. Um inquérito por especulação ilícita lançado após a investigação da Autoridade francesa dos Mercados Financeiros.

A Autoridade francesa, equivalente à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários portuguesa, investigou um eventual “inside trading”. O delito bolsista remonta a 2003, quando a canadiana Alcan adquiriu a francesa Pechiney. Onze milhões de acções terão sido transaccionadas de forma suspeita, rendendo mais de cinco milhões de euros de mais-valias. A informação foi divulgada ontem pelo Le Figaro. Segundo o jornal francês, as suspeitas recaem sobre a Comissão da Concorrência, em Bruxelas, uma das primeiras instituições a ter sido informada da fusão. A Comissão Europeia reagiu. O porta-voz de Bruxelas, Jonathan Todd, afirma que a “Comissão não tem qualquer razão para acreditar que os seus funcionários estejam implicados em delitos relacionados com ‘inside trading’ neste caso”. As autoridades francesas já receberam de Bruxelas a lista com os nomes dos sete funcionários que conheciam o dossiê da fusão.