Última hora
This content is not available in your region

Reino Unido vota adopção ou não de BI's 'inteligentes'

Reino Unido vota adopção ou não de BI's 'inteligentes'
Tamanho do texto Aa Aa

A implementação de bilhetes de identidade e passaportes biométricos divide os britânicos – os cartões, dotados de um micro chip, estarão ligados a um registo de identidade detalhado, com nome, data de nascimento, nacionalidade, situação de imigrante, morada. A tecnologia biométrica faz o reconhecimento das impressões digitais e da íris.

A votação do projecto de lei na Câmara dos Comuns é hoje, mas a discussão já se arrasta desde o governo de John Major – a lei foi rejeitada nessa altura. Tony Blair submete-o pela segunda vez à aprovação no intuito de reforçar o combate ao terrorismo e à imigração ilegal. Para o primeiro-ministro britânico esta não é uma questão política mas de segurança nacional. Assegura que se trata de aproveitar as novas tecnologias para tornar as fronteiras mais seguras. O sistema ajudará ainda a poupar, pois servirá para combater as fraudes na segurança social. Os críticos deste projecto-lei denunciam a intenção do governo entrar nas suas vidas com a desculpa da fiabilidade do sistema – a leitura da íris de pessoas de raça negra ou com mais de 59 anos pode mesmo ser errónea. Quanto ao preço: era suposto o bilhete de identidade custar 140 euros com o passaporte, mas, com outros documentos, pode ir até 450 euros. Apesar dos argumentos, a desconfiança é geral. O grande estadista Winston Churchill suprimiu os bilhetes de identidade em 1952, depois da II Guerra Mundial.