Última hora
This content is not available in your region

Presidente francês aproveita cerimónia para operação de charme

Presidente francês aproveita cerimónia para operação de charme
Tamanho do texto Aa Aa

O Presidente francês, Jacques Chirac, afirmou hoje durante uma entrevista comemorativa do 14 de Julho francês (que assinala a Tomada da Bastilha, em 1789) que “nenhum país está a salvo de atentados” como os que abalaram Londres no passado dia 7 de Julho.

Lula da Silva esteve ao seu lado a co-presidir à parada militar nos Campos Elíseos. A sua imagem em França não parece muito abalada pelas denúncias de corrupção no Brasil. Membros do seu governo terão pago uma mesada a deputados para que votassem os seus projectos-lei (o “Mensalão”). Recebeu honras militares de 109 cadetes brasileiros. Ir ao estrangeiro não parece abalar Chirac nos dias de hoje:“Quando estou fora de França, não me coloco, de todo, à defesa. Sinto-me seguro porque os valores que defendo são valores seguros e esses são os nossos”. “Não creio que o modelo (sócio-económico) britânico seja um modelo desejável ou a copiar. É verdade que o desemprego é menos importante do que o nosso. Mas se observarmos os modelos da vida em sociedade, quer se trate de política da saúde ou da luta contra a pobreza, vemos que estamos melhor (ultra)passados quer dizer, situados que os britânicos” Quanto ao referendo. “notei uma energia na mensagem dos franceses, a 29 de Maio, uma ambição nova para avançar e creio que é possível fazê-lo agora. É com ambição e unidade que sairemos das dificuldades e isso supõe que os políticos dêem o exemplo e que se mantenham unidos com o único objectivo de servir os franceses”. Chirac aludia indirectamente ao seu mais directo rival, o ministro do Interior, Nikolas Sarkozy, que disse em público não ter interesse no discurso do presidente.