Última hora
This content is not available in your region

Orçamento comunitário para 2006 aprovado em primeira leitura

Orçamento comunitário para 2006 aprovado em primeira leitura
Tamanho do texto Aa Aa

Não foi pacífica, a aprovação do orçamento comunitário para 2006. Nas negociações ministeriais, a proposta da presidência britânica da União foi aprovada, em primeira leitura. São 111 mil milhões de euros, menos do que os 112 mil propostos pela Comissão.

Bruxelas e Londres mantêm um braço de ferro sobre a questão. A presidência britânica propôs cortes nas áreas da investigação e da luta contra o desembprego, o que provocou a ira de Bruxelas. O secretário de Estado britâncio do Tesouro, Ian Lewis, diz que as críticas são enganadoras: “A Comissão referiu-se repetidas vezes à proposta da presidência de cortar o orçamento para a investigação. A proposta do Conselho é aumentar, num ano, em 2006, o orçamento para a investigação em 12%. A comissâo previra um aumento de 22%. Portanto, não h’a um corte, há um crescimento, um aumento de 12%. Só que não é tanto como a Comissão previra para 2006.” A Comissão, por seu lado, diz que as verbas para a administração também foram reduzidas, apesar do aumento do número de Estados membros. A comissária Dalia Grybauskaite queixa-se: “A proposta que hoje está na mesa não tem nada a ver com quem será contratado, se é melhor ou pior, se vem dos novos ou dos antigos Estados membros… Apenas signfica que em 2006 a Comissão não fará qualquer recrutamento, é tudo.” Contudo, a Comissão não tem poder em termos de orçamento. Para ser aprovado, o texto tem de receber o acordo, não só dos Estados membros, mas também do Parlamento Europeu, que tem poderes de codecisão nesta matéria.
A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.