Última hora
This content is not available in your region

Evacuação forçada dos resistentes de Nova Orleães por risco de epidemias

Evacuação forçada dos resistentes de Nova Orleães por risco de epidemias
Tamanho do texto Aa Aa

A água que inunda as ruas de Nova Orleães está cheia de toxinas e bactérias como a “Escherichia coli”, de gás que tem causado explosões, de cadáveres, mas cerca de 10 mil pessoas teimam em ignorar as ordens de evacuação.

Até aqui, os socorristas, polícias, militares e voluntários, verificavam, apenas, que os resistentes se encontravam bem. A partir de agora, vão começar a obrigar as pessoas a saírem à força. Como diz um voluntário do Departamento dos Recursos Naturais da Carolina do Sul, muitas pessoas não querem sair. Tinham cães e querem continuar em casa. Querem continuar até a água baixar. Quando se lhes oferece ajuda para sair, declinam qualquer apoio. Apesar do nível de água estar a baixar, cobre ainda 60 por cento de Nova Orleães. Mas já se vêem fachadas onde antes se viam apenas telhados. Os corpos começam a ser recolhidos a mantêm-se as negras previsões que apontam para a morte de 10 mil pessoas. Um operário da construção civil conta que está a trabalhar desde a terça-feira, de há semana e meia, um dia depois da tempestade, e poucos progressos fizeram. Há muito caminho a percorrer. Só para a drenagem das águas do Lago Pontchartrain, que rebentaram um dique, são precisos mais 15 dias.