Última hora

Última hora

Mais seis mortes em assalto de imigrantes em Melilla

Em leitura:

Mais seis mortes em assalto de imigrantes em Melilla

Mais seis mortes em assalto de imigrantes em Melilla
Tamanho do texto Aa Aa

Morreram seis pessoas no último assalto de imigrantes subsarianos à fronteira da cidade de Melilla, no dia em que a vice-presidente do governo espanhola se desloca ao enclave para encontros com as autoridades.

A Guardia Civil congratula-se, no entanto, com o sucesso da operação desta madrugada em que perto de 500 pessoas tentaram passar a barreira fronteiriça. O chefe de governo espanhol resolveu, entretanto, deixar claro que a intervenção das forças da ordem para evitar a entrada de imigrantes é feita apenas por motivos de segurança. Esta madrugada, perto de 500 pessoas tentaram passar a barreira fronteiriça através da zona de Rostrogordo. De acordo com um fotógrafo espanhol, que testemunhou o assalto, as autoridades usaram material anti-distúrbios como granadas de gás lacrimogénio e matracas. Quanto aos que conseguiram entrar na cidade espanhola, do norte de África, estão a ser acolhidos por equipas de emergência médica. O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados acredita que os cidadãos subsarianos que conseguiram entrar em território espanhol não vão ser ignorados pelas autoridades. Segundo a Amnistia Internacional, é prematuro avaliar o plano de repatriaçõesem massa que Espanha e Marrocos querem aplicar. A organização considera que o convénio de 1992 entre os dois países, que hoje é reactivado, viola o direito espanhol e a legislação internacional.