Última hora
This content is not available in your region

Sismo no Paquistão provoca quatro milhões de refugiados

Sismo no Paquistão provoca quatro milhões de refugiados
Tamanho do texto Aa Aa

A capital da Caxemira paquistanesa, Muzaffarabad é agora o epicentro de uma crise humanitária.

Na cidade, 80% dos sobreviventes do sismo de sábado continuam a dormir ao relento, sem água, nem comida. A luta pela sobrevivência motivou cenas de pilhagens durante a distribuição de víveres, esta manhã. A situação poderá mudar nas próximas horas com a chegada dos primeiros helicópteros norte-americanos com ajuda humanitária e com o desbloqueamento das estradas, até aqui soterradas. As chuvas fortes que assolaram esta manhã a região bloquearam durante horas todas as operações de ajuda. Em todo o país calcula-se que mais de quatro milhões de pessoas tenham ficado desalojadas. Um milhar de hospitais foram destruídos, e a falta de assistência médica às populações levou a Organização Mundial de Saúde a lançar o alerta para a possibilidade do aparecimento de várias epidemias. Os habitantes das aldeias devastadas pelo sismo começam agora a afluir ao que resta das principais cidades. Segundo as estimativas o número de mortes no Paquistão poderá superar os 40 mil, na Caxemira indiana as baixas calculam-se em mais de 1 300 mortos. Quatro dias depois do sismo de 7,6 de magnitude na escala de Richter ter sacudido o território da Caxemira, disputado entre Índia e Paquistão, o conflito deu lugar à mobilização humanitária internacional. Não só a Índia mas também Israel ofereceram ajuda a Islamabad. No terreno, oito helicópteros norte-americanos, quatro do Afeganistão e dois da Alemanha realizam uma verdadeira ponte aérea para evacuar feridos de Muzzafarabad e Balakot, transportando cobertores e tendas. Um dos socorristas enviados pelos Emiratos Árabes Unidos, afirma que, “depois de duas horas de trabalhos conseguiram retirar dos escombros, três sobreviventes e sessenta cadáveres”. Em Balakot, onde só chegaram até agora 15 socorristas franceses, uma criança foi salva das ruínas da escola Shaheen onde permanecem bloqueadas outras trinta pessoas. A derrocada de duas escolas tinha morto pelo menos 850 crianças no passado sábado. Até hoje, apenas os familiares procuravam sinais de vida por entre os escombros da cidade destruída a 70%. Para fazer face à devastação, as Nações Unidas lançaram esta manhã um apelo internacional para reunir 272 milhões de dólares, durante o período de seis meses.