Última hora

Acordo de última hora permite ultrapassar crise orçamental

Acordo de última hora permite ultrapassar crise orçamental
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Foi com satisfação que os líderes dos 25 regressaram a casa após se ter chegado a um acordo sobre o orçamento comunitário para 2007-2013 na sequência de mais de 30 horas de árduas negociações.

O consenso chegou já de madrugada, mas permitiu evitar uma nova perturbação num ano em que a UE foi prolífica em crises institucionais. Segundo o acordo, baseado numa proposta de Angela Merkel, o orçamento para o período em questão ascende a um total de mais de 862 mil milhões de euros, o que corresponde a 1,045% do PIB comunitário. Além disso, Tony Blair cedeu e permitiu reduzir o cheque britânico em 10,5 mil milhões de euros, um corte de um quinto no valor total da devolução. Satisfeito com este resultado ficou seguramente Jacques Chirac, que viu permanecer intocada a PAC. Aliás, uma eventual revisão da Política Agrícola Comum só terá efeitos a partir de 2014. Com o acordo ontem obtido os grandes vencedores foram os novos Estados-membros, com a Polónia à cabeça, que viram garantido o reforço dos fundos de coesão. No orçamento, Varsóvia conseguiu mesmo mais 4 mil milhões de euros em ajudas regionais do que tinha sido proposto por Tony Blair no início do mês. Para o primeiro-ministro britânico, “este acordo permite à Europa avançar edemonstrar a solidariedade necessária com os novos Estados-membros e, para aqueles que apoiaram o alargamento, este é um ponto importante.” Apesar deste convicto europeísmo, as concessões de Blair ao orçamento comunitário suscitaram fortes críticas internas.
A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.