Última hora
This content is not available in your region

Sérvia recorda assassinato de quem enviou Milosevic para Haia

Sérvia recorda assassinato de quem enviou Milosevic para Haia
Tamanho do texto Aa Aa

O antigo ditador sérvio morreu precisamente na véspera do terceiro aniversário do assassinato de Zoran Djindjic, antigo primeiro-ministro que ordenou a entrega de Milosevic ao TPI.

No grande cemitério de Belgrado várias centenas de pessoas, incluindo a viúva e o presidente Boris Tadic, enfrentaram a chuva para honrar a memória do antigo líder, baleado em Belgrado em 2003. Os dias 11 e 12 de Março ficarão gravados na memória colectiva dos sérvios. Dias em que faleceram dois homens com responsabilidades políticas num período histórico da Sérvia e cujas vidas estiveram antagonigamente ligadas. Há quem olhe para a proximidade das datas das mortes com naturalidade “Não acho que seja coincidência que ele tenha morrido ontem, um dia antes do aniversário do assassinato de Djindjic. Isto mostra o perfeito funcionamento do universo”, referiu um jovem em Belgrado. Um das questões que agora se colocam é a do local onde Milosevic será sepultado. O Partido Socialista Sérvio pretendia que o ex-ditador fosse enterrado na Sérvia. Alguns sectores advogavam mesmo que o funeral ocorresse na Alameda dos Heróis no cemitério de Belgrado, onde está sepultado Zoran Djindjic. Mas o destino da urna do antigo presidente deverá ser decidido pela sua família que vive em Moscovo.