Última hora

Última hora

Clima de tensão aumenta na Bielorússia em véspera eleitoral

Em leitura:

Clima de tensão aumenta na Bielorússia em véspera eleitoral

Clima de tensão aumenta na Bielorússia em véspera eleitoral
Tamanho do texto Aa Aa

Vinte por cento dos eleitores da Bielorússia começaram este sábado a votar nas presidenciais, numa primeira fase do escrutínio que decorreu sem problemas de maior.

Isto apesar da atmosfera de violência que paira no país depois de o presidente Alexander Lukashenko, candidato número um, ter ameaçado executar qualquer opositor que ouse contestar a sua provável vitória. O regime instalado em Minsk, liderado por Lukaschenko há 12 anos, tem reprimido focos de oposição, como comprovam notícias de detenções levadas a cabo pela polícia um dia antes da maioria dos eleitores acorrerem às urnas. As maiores esperanças daqueles que se opõem a Lukashenko estão depositadas na candidatura de Alexander Milinkevitch que ontem voltou a apelar à mobilização para um protesto pacífico após o encerramento das secções de voto este Domingo. Milhares de jovens estiveram este sábado num concerto rock realizado nos arredores de Minsk durante o qual Milinkevitch reafirmou o objectivo de “conquistar a liberdade, justiça e verdade”. O principal líder da oposição tenta mobilizar um movimento que apoie uma revolução pacífica semelhante à revolução laranja ucraniana que em 2004 depôs o regime de Kiev. No entanto, o presidente Lukashenko conta ainda com algumas bases populares de apoio, especialmente entre a população mais velha residente fora da capital. Desde meados dos anos 90 que o Ocidente acusa o chefe de estado bielorusso de falsificar resultados eleitorais, e a União Europeia ameaça reforçar as sanções económicas e diplomáticas caso as eleições deste domingo não sejam justas.