Última hora

Última hora

Primeira volta das presidenciais mais renhidas do Perú

Em leitura:

Primeira volta das presidenciais mais renhidas do Perú

Primeira volta das presidenciais mais renhidas do Perú
Tamanho do texto Aa Aa

Dia eleitoral também no Perú. Mais de 16 milhões de peruanos elegem este domingo o presidente, renovam o Congresso e os representantes no Parlamento Andino. Estas são as presidenciais mais renhidas da história do Perú. O favorito é Ollanta Humala. O militar diz-se defensor dos mais pobres num país onde mais de metade da população vive com cerca de um dólar por dia. Admirador de Hugo Chavez, Humala inquieta Washington e investidores com as suas promessas.

Entre os restantes 19 candidatos, apenas dois lhe podem fazer frente. Uma é Lourdes Flores. Mas a advogada conservadora perdeu popularidade nos últimos dias de campanha e, antes da abertura das urnas, encontrava-se empatada nas sondagens com o ex-presidente social-democrata, Alan Garcia. Segundo as sondagens, nenhum dos 20 candidatos conseguirá obter os 50% dos votos e ganhar à primeira volta. A segunda deverá ter lugar em finais de Maio ou início de Junho. O voto no Perú é obrigatório e os abstencionistas sujeitam-se a uma multa de 40 dólares. Mesmo assim, o actual presidente, Alejandro Toledo, apelou ao voto em alguém de confiança. Nas ruas estão cem mil polícias e outros tantos militares, sobretudo, em zonas do interior onde operam os guerrilheiros do Sendero Luminoso e os narcotraficantes. Cinemas e igrejas estão fechados. A venda de álcool é proibida.