Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Quem quer a morte política do primeiro-ministro húngaro?

Quem quer a morte política do primeiro-ministro húngaro?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A gafe de Ferenc Gyurcsany ao admitir que o partido socialista mentiu sobre a situação económica do país, deixou a Hungria num caos político. Mas não é claro para todos que seja a oposição de direita quem está por trás dos motins na capital húngara. O chefe da polícia diz que se trata de jovens desordeiros e usa o termo hooligans para os descrever. Durante os protestos, os manifestantes têm usado bandeiras de extrema-direita para dar a conhecer a sua posição política. Consequentemente o primeiro-ministro já acusou a oposição de não querer controlar os activistas.

Na opinião desta transeunte, são grupos de extrema-direita os responsáveis pelos distúrbios. Acredita que se trata de movimentos organizados, mas que não pertencem necessariamente a partidos políticos. Uma outra pessoa adianta que a motivação para os distúrbios é o cansaço do actual governo:

“Estas pessoas protestam porque a direita não esta satisfeita com o governo nas mãos dos socialistas desde há 15 anos, altura da revolução”.

Gyurcsany chegou ao poder com a promessa de baixar os impostos. Mas em vez disso, pressionado por Bruxelas, quer impor ao país um programa austero apoiado no corte de benefícios sociais. A inflação poderá atingir os 6% em 2007. Uma situação económica preocupante que afasta o país da adesão à zona euro em 2010 como estava previsto.