Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Bush e republicanos de acordo quanto a interrogatórios a terroristas suspeitos

Bush e republicanos de acordo quanto a interrogatórios a terroristas suspeitos
Tamanho do texto Aa Aa

George W.Bush e os republicanos com representação no Senado chegaram a acordo sobre a criação de regras para interrogatórios e julgamentos de prisioneiros estrangeiros suspeitos de terrorismo. O projecto-lei vai a votação no Congresso na semana que vem. O documento prevê a continuação das actividades da CIA no combate ao terrorismo. O presidente norte-americano mostra-se satisfeito com o acordo com os republicanos pois preserva a única forma que George W.Bush considera ser a indicada para travar ataques terroristas. A actividade da CIA neste domínio vai continuar. O chefe de Estado anuncia ainda que vão ser criados tribunais militares para levar os suspeitos a enfrentar a justiça. Em suma, o presidente acredita que o acordo é o que os americanos desejam.

Um conselheiro de Defesa da Casa Branca revelou mais tarde aos jornalistas que as regras colocam limites ao acesso dos suspeitos a informação confidencial, ou seja, asseguram que nenhuns dados serão fornecidos ao suspeito ou ao advogado.

Bush volta a assumir uma posição firme face às críticas internacionais sobre as detenções de prisioneiros, por exemplo, na base de Guantánamo em Cuba que até hoje não têm julgamento marcado. A Casa Branca apressa-se a mostrar tribunais onde alegadamente vão decorrer as sessões, e continua a negar a utilização da tortura nos interrogatórios dos supeitos detidos.