Última hora

Última hora

Crescem críticas às tropas no Iraque no mês mais mortífero do ano

Em leitura:

Crescem críticas às tropas no Iraque no mês mais mortífero do ano

Crescem críticas às tropas no Iraque no mês mais mortífero do ano
Tamanho do texto Aa Aa

Outubro já foi considerado o mês mais mortífero do último ano no Iraque para as tropas norte-americanas com a confirmação de 81 vítimas. A notícia surge a par com uma onda crescente de criticismo sobre a permanência de tropas estrangeiras no país. Uma sondagem oficial indica que a maior parte da juventude iraquiana, mesmo os que residem fora do país, acredita que a saída de tropas estrangeiras facilitaria a descida da violência.

Em Washington, o agravamento da situação pode custar caro à administração nas eleições de 7 de Novembro. O senador democrata Carl Levin denunciou a situação e quer que a retirada das tropas seja decidida antes das eleições. Segundo os democratas é preciso impor um prazo ao governo iraquiano para assumir um maior controlo na segurança do país.

Só no Domingo, 22 pessoas foram mortas em quatro atentados. O mais violento vitimou 13 militares próximo de Bacuba.

Com a preocupação internacional a focar-se na escalada de violência que as tropas internacionais não conseguem atenuar, a controvérsia começa a alastrar-se às forças britânicas no Iraque. Alguns ministros admitem abertamente que um ano deve ser o prazo para a retirada.

O marido da rainha britânica, o príncipe Philip, fez no Domingo uma visita surpresa aos militares no sul do Iraque. Com 85 anos, disse à imprensa estar certo de que todo o Reino Unido simpatiza com os soldados que estão a tentar tornar a vida no Iraque mais civilizada.