Última hora

Última hora

Economia dos EUA não deve sofrer com eleições

Em leitura:

Economia dos EUA não deve sofrer com eleições

Economia dos EUA não deve sofrer com eleições
Tamanho do texto Aa Aa

Apesar do clima de incerteza nas bolsas, causada pela previsão de um maior proteccionismo económico, a política económica dos Estados Unidos não deve sofrer uma grande mudança depois das eleições de terça-feira, que ditaram uma nova maioria democrata na Câmara dos Representantes e no Senado.

Essa é a opinião da maioria dos analistas. O poder executivo está nas mãos do presidente Bush e, mesmo com esta maioria, os democratas vão ter pouca margem de manobra para levar a cabo reformas económicas.

O cenário, para o próximo ano, é de abrandamento, a acreditar nas previsões do FMI, com o crescimento do PIB a desacelerar dos 3,4 para os 2,8%, a taxa de desemprego a crescer um décimo percentual e o défice orçamental a subir dos 198 para os 200 mil milhões de euros.

As políticas da Reserva Federal devem também ser pouco afectadas. A Fed, presidida por Ben Bernanke, tem mantido a taxa de juro estável a 5,25%, depois de uma série de subidas. É possível que haja uma nova subida, no próximo mês, e se houver uma razão para Bernanke mudar de ideias, não será a mudança política no congresso.

No que toca ao mercado de emprego, a única mudança previsível é a subida do salário mínimo, uma das poucas medidas que os democratas devem conseguir fazer passar. Prevê-se uma ligeira subida na taxa de desemprego. Os salários mais altos podem contribuir para a tendência, uma vez que as empresas passam a contratar menos.

Salários mais altos significam também mais poder de compra, o que pode agravar a inflação.

As bolsas reagiram em queda à vitória dos democratas. No entanto, Wall Street esteve em alta no início da semana, incluindo no próprio dia das eleições, o que demonstra a confiança dos investidores no clima económivo.