Última hora
This content is not available in your region

Voos da CIA provocam reacções contraditórias

Voos da CIA provocam reacções contraditórias
Tamanho do texto Aa Aa

Com um debate muito vivo sobre o relatório apresentado pela comissão de inquérito; a esquerda a apoiar o documento e os populares europeus bastante divididos, as reacções vão em todos os sentidos:

A deputada alemã da Esquerda Unitária, Sylvia-Yvonne Kaufmann, membro da comissão, defende:

“Creio que é um relatório muito importante. Consideramos muito grave e atentatório aos Direitos Humanos na Europa o que foi feito pelos serviços secretos. O parlamento Europeu lutou sempre pelos Direitos Humanos e agora mostrou uma posição forte, dizendo: “Condenamos isto e isto não pode voltar a acontecer”.

Mas há quem, dentro da comissão, tenha uma opinião muito crítica sobre o seu trabalho. O deputado conservador britânico, Charles Tannock considera:

“Esta comissão de inquérito foi um desperdício do dinheiro britânico e europeu. Desde o princípio é uma duplicação do trabalho feito pela comissão do Conselho da Europa, dirigida pelo senador suíço, Martey. Não se produziu nada de novo. Está cheio de acusações sem provas, entrevistaram-se muitas pessoas, em todo o mundo, com custos provavelemente de vários milhões aos contribuintes europeus e nenhuma nova prova foi apresentada”.

Para o liberal polaco Janusz Onyszkiewicz, o assunto nem devia ser discutido. À semelhança do governo de Varsóvia que nem respondeu aos investigadores, este membro da comissão de inquérito afirma:

“Afinal, os Estados Unidos são o nosso aliado comum na luta contra o terrorismo. Por isso, não podemos revelar tudo o que acontece como resultado dessa luta. Temos simplesmente que aceitar o funcionamento dos serviços secretos que, num certo nível, devem ser secretos”.

Talvez em nome desse secretismo, foram retiradas do relatório as críticas a governos e governantes menos dispostos a colaborar, como Portugal e as acusações directas à Alemanha, por exemplo, tendo, no entanto, sido mantida a crítica ao Alto Representante para a Política Externa, Javier Solana, pelas “omissões” durante a sua comparência perante a comissão parlamentar de inquérito.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.