Última hora
This content is not available in your region

Senhores da guerra afegãos exigem amnistia

Senhores da guerra afegãos exigem amnistia
Tamanho do texto Aa Aa

Cerca de 25 mil afegãos responderam à chamada dos “senhores da guerra” e juntaram-se no estádio de Cabul para defender uma importante amnistia. O perdão foi previsto para crimes cometidos nas últimas três décadas de conflitos no Afeganistão.O projecto de lei de amnistia é controverso e foi votado e aprovado “em nome da reconciliação nacional”, o que colocou o presidente Karzai numa posição delicada, pois ele é contra.

O ministro afegão Abdullah Abdullah defende a medida como sendo de solidariedade com os milhões de mujahedines do Afeganistão que lutaram contra os solados da União Soviética e resistiram contra os talibãs e a Al Qaeda. Neste país, onde, desde a expulsão dos talibãs, o ano de 2006 foi o mais sangrento, os defensores dos Direitos do Homem e os trabalhadores da ONU contestam a legitimidade da amnistia. A organização Human Righs Watch tinha exigido, em Dezembro, a criação de um tribunal para julgar os criminosos de guerra afegãos.

No início do mês, o presidente Karzai, no início deste mês, mostrou-se reticente. Mas se vetar a lei, Karzai arrisca-se a ter contra si os poderosos senhores da gurra, que dominam o Parlamento. Muitos deles estiveram na manifestação de Cabul (o deputado Sayyaf, antigo presidente, o deputado Rabbani e o vice-presidente Khalili, assim como o homem forte de Herat e ministro da Energia Ismael Khan).

Todos estiveram envolvidos nas sangrentas guerras de libertação do país. Mais de um milhão e meio de afegãos foram mortos e milhares de outros foram torturados ou violados durante a luta contra a invasão soviética e a guerra civil que se seguiu entre as facções étnicas, entre 1992 e 96.

A tomada de Cabul pelos talibãs, nesse ano, marcou o início de um novo conflito com os resistentes da Aliança do Norte que só acabou em 2001 quando eles conseguiram entrar na capital com a ajuda dos americanos. Muitos comandantes sentam-se hoje no Parlamento e no governo ao lado de antigos comunistas e de ex-talibãs. Os analistas consideram que este ano vai ser decisivo para a guerra do Afeganistão e será muito perigoso provocar divisões no país.