A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Nuclear provoca nova rebelião trabalhista

Nuclear provoca nova rebelião trabalhista
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

“Tony Blair ama as Armas de Destruição Maciça”. Esta foi a bandeirola que activistas da Greenpeace conseguiram instalar no edifício do parlamento britânico. O protesto decorreu ontem, um dia antes da Câmara dos Comuns votar a renovação da frota de submarinos nucleares.

O fim de vida da classe Trident está previsto para 2024. O primeiro-ministro argumenta que a concepção e a construção de novos submarinos vai levar 17 anos, por isso não podem existir mais adiamentos. O custo estimado do programa varia entre os vinte e dois e os trinta mil milhões de euros. Uma soma que muitos deputados do campo trabalhista consideram que devia ser utilizada noutros domínios. Outros repudiam simplesmente a armas atómicas.

Por estas razões o primeiro-ministro vai enfrentar um dia difícil já que bastantes deputados do seu partido vão votar contra a proposta do chefe de fila. De referir que já se registaram demissões, nomeadamente a do líder da bancada trabalhista, Nigel Griffiths. Contudo o programa deve passar uma vez que conta com o apoio da oposição conservadora. Ao mesmo tempo, os activistas anti-nuclear agendaram vários protestos para hoje.