A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Últimos fôlego dos candidatos às presidenciais francesas

Últimos fôlego dos candidatos às presidenciais francesas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os quatro principais candidatos às presidenciais francesas protagonizaram esta quinta-feira os últimos grandes comícios, antes do encerramento oficial da campanha eleitoral. O candidato conservador, Nicolas Sarkozy, escolheu a cidade de Marselha, onde se dirigiu a 15 mil apoiantes dizendo que “esta campanha representou uma prova de força, porque ir durante meses ao encontro dos franceses obriga a dar o máximo de si mesmo”.

As últimas sondagens continuam a conferir a Sarkozy o favoritismo, com cerca de 28% das intenções de voto. Em segundo lugar, com 22% a 25% das intenções segundo diferentes consultas populares, a candidata socialista foi a Toulouse, onde lançou um último apelo ao voto. Ségolène Royal pediu aos 15 mil apoiantes reunidos e a toda a França para a “ajudarem e carregarem”, lembrando que “foram eles que a fizeram e é com eles que ganhará”.

Seguindo de perto a candidata socialista nas sondagens, François Bayrou escolheu a sua região-natal dos Pirinéus Atlânticos. Na cidade de Pau, o candidato centrista criticou um editorial do jornal francês Le Monde que apela a um voto que coloque Sarkozy e Royal na segunda volta. Bayrou diz que “gostava de saber com que direito, a que título e que serviço terá prestado à França (o director da publicação), para se permitir dizer que é um imperativo democrático votar em Sarkozy ou Royal, e não em François Bayrou”.

O líder da extrema-direita e quarto favorito na corrida presidencial continua a acreditar numa repetição do cenário de 2002. Jean-Marie Le Pen diz que “se chegar à segunda volta, como acredita, será uma pequena surpresa porque, na realidade, já passou por isso”. Face ao ainda elevado número de indecisos, todos os cenários continuam em aberto para a segunda etapa das presidenciais.