Última hora
This content is not available in your region

Sarkozy promete uma direita mais humanista

Sarkozy promete uma direita mais humanista
Tamanho do texto Aa Aa

Nicolas Sarkozy cumpriu aquilo a que se propôs e aí está, na segunda volta das presidenciais. Ambicioso, pragmático, hiperactivo, popular. Adjectivos que convêm a quem nunca escondeu o principal objectivo de carreira era o Eliseu. Para isso, reuniu em torno de si os correlegionários do UMP, mal conseguiu a presidência, em Novembro de 2004, daquele que continua a ser o partido do poder.

Paralelamente, fica com a pasta do Interior, uma outra tribuna para falar aos eleitores, sempre receptivos aos discursos sobre segurança, o tema que mais gosta de defender. Homem do terreno, Sarkozy privilegia o contacto interpessoal e gosta de propôr soluções concretas para os problemas que as pessoas enfrentam.

Nicolas Sarkozy é filho de um refugiado nobre húngaro que teve trabalhos na área do desenho e publicidade e outros; a mãe era advogada, mas cedo se divorciaram. Tornou-se advogado ao mesmo tempo que enveredava pela política. Aos 28 anos já era presidente da Câmara de Neuilly, começando um longo caminho ao lado de Chirac até o confrontar directamente. O apoio que deu à candadatura de Balladur, em 1995, foi encarado como uma traição a Chirac. Todavia, em 2002, acabou por ser o presidente a trazê-lo de novo para a ribalta, chamando-o para o governo de Raffarin, em 2002.

A força política que todos, mesmos os rivais, reconhecem a este político tem a ver também com a firmeza em relação às questões de criminalidade, segurança e imigração. A nível internacional, continua um liberal que, apesar de pró-atlântico continua a ser contra a guerra no Iraque.

Para Sarkozy, o importante é colocar mecanismos em marcha: por exemplo, para desarmadilhar a Europa que ficou refém do Não ao Tratado constitucional, ele propõe uma versão minimalista.

Pessoalmente, esteve à beira do divórcio mas salvou o casamento e Cecília já está preparada para o papel de Primeira Dama. Os rivais políticos também não lhe têm dado descanso: Dominique de Villepin e Michèlle Alliot Marie foram os principais, na UMP.

No fim de tudo, foram os militantes que o apoiaram sempre, e nunca tiveram dúvidas sobre o candidato escolhido.