A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Dia histórico na Irlanda do Norte

Dia histórico na Irlanda do Norte
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os antigos inimigos na Irlanda do Norte partilham agora o executivo que vai governar o Ulster, pondo um ponto final em quase 40 anos de conflito.

O protestante Ian Paisley tomou posse como chefe do governo e Martin McGuinness, católico e antigo membro do IRA, como vice-primeiro-ministro. A tomada de posse decorreu sob o olhar dos primeiros-ministros britânico, Tony Blair, e irlandês, Bertie Ahern, que ao longo da última década foram os padrinhos do processo de paz.

Na cerimónia sóbria e breve, em Stormont, Ian Paisley afirmou: “Do fundo do coração, posso dizer que acredito que a Irlanda do Norte chegou a uma era de paz, onde o ódio já não tem lugar. É bom fazer parte do maravilhoso processo de cura desta província”.

Este momento nasceu a 26 de Março, depois das eleições na província, quando Paisley e Gerry Adams, líder do Sinn Fein, deram um passo histórico e aceitaram partilhar o poder.

Esta terça-feira, para além do optimismo e confiança, Martin McGuinness, proferiu um discurso muito pragmático, no qual recordou as dificuldades que terão de enfrentar para atingir os objectivos e aproveitar as oportunidades que existem e que as gerações futuras esperam e merecem.

Para chegar a este dia o caminho foi longo. Primeiro o conflito que, entre 1969 e 1998, fez 3500 mortos depois a desconfiança, que levou à suspensão, em 2002, das instituições criadas Acordos de Sexta-feira Santa. Após avanços e recuos esta é uma vitória de todos, mas sobretudo para Tony Blair, a dias de abandonar o poder.

Depois de terem confrontado, Paisley e McGuinness vão enfrentar juntos os desafios do Ulster. Os protestantes ocupam os ministérios das Finanças, Economia, Ambiente e Cultura. O Sinn Fein os da Educação, Desenvolvimento regional e Agricultura.