Última hora
This content is not available in your region

Reacções mitigadas ao fim dos "anos Blair"

Reacções mitigadas ao fim dos "anos Blair"
Tamanho do texto Aa Aa

No espectro político, começam a multiplicar-se as reacções à saída anunciada de Tony Blair. O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, recorda o papel do primeiro-ministro britânico na integração europeia: “Se por um lado Blair teve sucesso na Europa, a aproximar a Europa da Grã-Bretanha, por outro ainda não conseguiu alterar completamente o sentimento na Grã-Bretanha.”

No Médio Oriente as opiniões dividem-se. O vice-primeiro-ministro israelita, Shimon Peres, recorda a “amizade britânica”: “Para nós, israelitas, é um homem com um significado especial. A sua amizade para com Israel foi tanto política como religiosa, com uma percepção real da tragédia da vida judaica.”

O ministro palestiniano da Informação, Mustafa Barghouti, espera uma maior imparcialidade do novo executivo do Reino Unido: “Esperamos que a saída de Tony Blair e a chegada de um novo primeiro-ministro conduza a uma mudança séria nas políticas britânicas, que não sejam tão favoráveis para os israelitas e mais razoáveis na cooperação com o lado palestiniano.”

Entre a população iraquiana, a decisão de Blair foi recebida com pouco interesse. Em Bagdade, há quem defenda que, no território iraquiano, o primeiro-ministro britânico falhou no objectivo de lutar contra o terrorismo.